; charset=UTF-8" /> Terra 2012 » Portugal
Participe de nossos abaixo-assinados
Petição Pública
Prezado Leitor, sua participação é muito importante para nós. Pedimos que, no site www.peticaopublica.com.br,
para cada abaixo-assinado de que você queira participar, digite seu nome completo, RG ou CPF e e-mail. Aproveite para recomendar o site a sua rede de contatos. Obrigada.
Lista de Links
Sala de atendimento
Clique na porta
para acessar Porta

Palavra-chave: Portugal

Brasileiros deixam o País

21/08/2016

Contra a crise, brasileiros vão viver em Portugal

Mudar para Portugal é uma alternativa para brasileiros que já têm suporte financeiro

Contra a crise, brasileiros vão viver em Portugal

Portugal está na moda. Basta caminhar pelas cidades de Lisboa, Cascais ou Porto para chegar a essa conclusão. Além do turismo, principalmente na alta temporada, há novos restaurantes, bares, cafés e lojas em cada esquina. E, nos últimos anos, Portugal tem sido a escolha de muitos brasileiros que buscam fugir da crise econômica do País e querem uma melhor qualidade de vida.

Hoje, cerca de 80 mil brasileiros residem em Portugal com vistos regulares, segundo dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), órgão responsável pelo controle de imigração português. Mas esse número deve ser ainda maior, pois brasileiros com passaporte europeu ou que estão no país irregularmente somem das estatísticas.

“Entre os atrativos para os brasileiros, estão a qualidade de vida, a facilidade da língua, o clima, a proximidade entre as culturas, a oferta de boas universidades e o fato de Portugal estar muito em voga atualmente”, afirma Álvaro Fagundes, segundo secretário do Consulado-Geral do Brasil em Lisboa.

Com mercado de trabalho pouco aquecido e um dos salários mínimos mais baixos da Europa Ocidental (€ 557), mudar para Portugal é uma alternativa para brasileiros que já têm suporte financeiro. É o exemplo do fotógrafo Jorge Abud, de 50 anos, que há seis meses trocou seu apartamento no bairro dos Jardins, em São Paulo, por um na Estrela, na zona central de Lisboa. “Amo o Brasil de paixão, mas minha vida é mais simples e tranquila aqui. Não tenho carro, não fico horas no trânsito, quando preciso de carro para viajar alugo e não me preocupo mais com isso”, conta Abud.

A aquisição imobiliária feita por Abud lhe conferiu o chamado Golden Visa, ou Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI). Trata-se de um programa do governo português que concede a autorização de residência para estrangeiros por meio da transferência de capitais no valor mínimo de €1 milhão, da criação de dez postos de trabalho, da compra de imóveis a partir de € 350 mil, no caso de construções que tenham mais de 30 anos ou que estejam em área de reabilitação urbana, entre outros investimentos.

Esse tipo de visto bateu recorde em 2017: foram emitidos 185 só nos primeiros sete meses do ano para brasileiros, segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Entre 2012, quando o visto foi criado, e 2016, foram 247.

Mercado aquecido

De olho no poder aquisitivo desse público, as imobiliárias e empreendimentos de luxo portugueses realizam feiras e eventos no Brasil para chamar a atenção de clientes em potencial.

Miguel Poisson, diretor da Sotheby’s International Realty de Portugal, líder no segmento de alto padrão, esteve recentemente viajando por São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte para mostrar os novos lançamentos no portfólio da empresa. “No nosso segmento, os brasileiros representam 10% das aquisições, atrás apenas dos ingleses e dos franceses”, diz Poisson. “É a nacionalidade que mais está crescendo nesse sentido. A média de valor dos imóveis vendidos para os brasileiros é de € 900 mil.”

Localizado entre Sintra e Lisboa, o empreendimento de luxo Belas Clube de Campo, que conta com um campo de golfe, faz muito sucesso entre brasileiros.

“Nessa nova fase do projeto, eles já representam 65% das vendas”, afirma o empresário André Jordan, fundador e presidente executivo do grupo de mesmo nome responsável pelo local. “Acho que os brasileiros vêm para Portugal porque dá para viver bem com menos dinheiro aqui”, diz Jordan.

Maria Empis, diretora da consultoria especializada em investimento imobiliário Jones Lang LaSalle (JLL) em Portugal, também vê um interesse crescente por parte dos brasileiros. “No setor residencial, eles são os que mais compram na região de Lisboa, perdem apenas para os portugueses”, afirma a executiva. Com informações do Estadão Conteúdo.

Fonte: Notícias ao minuto

Número de brasileiros barrados em Portugal salta 91,3%

2,6 pessoas são enviadas de volta para a casa por dia

© iStock

O número de brasileiros barrados nos aeroportos de Portugal teve alta de 91,3% em 2016 em comparação com o ano anterior. No total, 968 pessoas foram mandadas de volta para o Brasil no ano passado, o que corresponde a 2,6 pessoas por dia. Os dados foram fornecidos nesta semana pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), órgão responsável pela imigração em Portugal, e divulgados pela “Folha de S. Paulo”.

“Assistiu-se a um agravamento da pressão migratória em termos de imigração ilegal”, diz o documento emitido pelo órgão, que cita também que a alta em relação a 2014 foi de 198,8%.

O SEF responsabiliza a crise no Brasil pelo aumento do número de brasileiros que tenta permanecer ilegalmente no país europeu. Para as autoridades portuguesas, o crescimento da imigração ilegal é “potencialmente justificado pela manutenção da crise econômica que se verifica no Brasil desde 2014, aliada à agudização da crise política e social ao longo de 2016″.

Portugal, por conta da língua e da cultura semelhantes, é um dos destinos preferidos dos brasileiros para migração, formando a maior comunidade de estrangeiros no país.

Fonte: Notícias ao minuto

 

Canadá recruta brasileiros para atuar no setor de TI e usinagem em Québec

Candidatos devem ter domínio da língua francesa e experiência nas áreas oferecidas; salários podem chegar a R$19 mil.


 

A Agência de Desenvolvimento Econômico do Québec está recrutando 216 profissionais na América Latina das áreas da tecnologia da informação (TI) e usinagem para trabalhar no Canadá. Para concorrer a uma vaga, é necessário ter domínio da língua francesa, idioma oficial da província canadense, e experiência na área preterida.

Os profissionais de TI devem ser tecnólogos em informática ou possuir graduação em Ciência da Computação, Construção de Computadores, Engenharia Elétrica ou Eletrônica. Já para as vagas de usinagem, é necessário ter experiência em operação e programação de máquinas ou soldagem.

Na área de TI, os salários variam de 77 mil a 95 mil dólares canadenses (R$ 194 mil a R$239 mil) canadenses por ano, enquanto na área de usinagem, os valores variam de 45 mil a 65 mil dólares canadenses (entre R$ 113 mil e R$ 163 mil).

 

De Curitiba para o Québec

 

Felipe Cruz e Eliane Lima em Québec (Foto: Arquivo pessoal)Felipe Cruz e Eliane Lima em Québec (Foto: Arquivo pessoal)

Felipe Cruz e Eliane Lima em Québec (Foto: Arquivo pessoal)

O curitibano Felipe Cruz de Lima, 29, embarcou para o Québec em 2015 para trabalhar na Beton Bolduc Inc, uma empresa de cimento e paisagismo. Eletromecânico de formação, Lima se mudou para o Canadá com a esposa e dois filhos e hoje conta com um salário anual médio de 50 mil a 60 mil dólares canadenses (R$ 126 mil a R$ 151 mil).

“As dificuldades que tive foram com a língua e as expressões locais. Mas hoje já me sinto super bem integrado”, explica Lima que, antes de se inscrever para a vaga, estudou francês por três anos. O curitibano não vê perspectiva de crescimento dentro da empresa, mas garante que o país está aberto a empreendedores. “Minha esposa, por exemplo, já trabalha com seu negócio próprio, vendendo bolos e doces típicos do Brasil”, disse.

Recentemente, o casal entrou com um pedido de residência e aguarda os trâmites do processo. “Qualidade de vida foi o que mais nos motivou em vir pra cá. Não pensamos mais em voltar”, disse.

Tatyana Mendonça e o marido, Arthur Minduca, 30, em Québec (Foto: Arquivo pessoal  )Tatyana Mendonça e o marido, Arthur Minduca, 30, em Québec (Foto: Arquivo pessoal  )

Tatyana Mendonça e o marido, Arthur Minduca, 30, em Québec (Foto: Arquivo pessoal )

Formada em Ciência da Computação com mestrado em Engenharia da Computação, Tatyana Mendonça, 27, deixou o Recife e se mudou para o Canadá com o marido. Depois de dois anos no no Canadá, Tatyana prestou concurso público e foi aprovada para trabalhar na Revenu Quebec, a Receita Federal do país. “Nós brasileiros somos bem vistos aqui. O pessoal gosta do nosso trabalho, de como somos polivalentes”, disse.

Tatyana afirma ver perspectiva de crescimento onde está e também não vê razões para voltar ao Brasil. O marido de Tatyana, que também é formado em Engenharia da Computação, com mestrado em Ciência da Computação, foi selecionado para a mesma vagas. Recentemente, ambos receberam residência permanente do governo canadense.

 

Processo seletivo

 

O processo seletivo ocorre através de uma plataforma on-line, onde os candidatos devem enviar currículo já em francês. As inscrições podem ser realizadas até o dia 13 de agosto no site oficial do governo local. Não há custos para participação do processo seletivo e, caso aprovado, a empresa contratante será responsável pelos trâmites em relação a vistos e documentos de residência.

Os candidatos selecionados passarão por uma entrevista via Skype.

As oportunidades em solo canadense têm duração inicial de um a três anos, mas é possível realizar um pedido de renovação ou residência fixa após um ano de trabalho. “O candidato pode participar do PEQ (Programme de l’experience québécoise), que oferece um certificado seleção Quebec e abre as portas para a demanda da residência permanente”, disse ao G1 Janaina Kamide, conselheira em atração de talentos da Agência Québec International.

No ano passado, a concorrência para o programa foi de 39 por vaga. “Mas vale lembrar as vagas não foram todas preenchidas. Se o candidato corresponde ao perfil buscado, como experiência, formação e domínio de língua francesa, suas chances de ser contratado aumentarão”, disse Janaina.

Descontentes com a conjuntura política e econômica pela qual o país atravessa, o número de brasileiros que saiu do país aumentou 81% entre 2014 e 2016 comparado aos três anos anteriores, de acordo com dados da Receita Federal.

Fonte: G1

“Que venham os brasileiros”, diz primeiro-ministro de Portugal

António Costa afirma em entrevista que considera o ingresso de talentos em seu país um caminho para dar mais fôlego à economia

Costa: o premiê vê Portugal como base para empresas brasileiras se expandirem na Europa (Marcos Michael/VEJA)

Quando se tornou primeiro-ministro de Portugal, o socialista António Costa foi na contramão da política europeia que tendia à direita. Assumiu um país que começava a sair do fundo do poço econômico depois de um severo plano de austeridade, o que lhe deu possibilidade de abrandar ajustes e repor salários e pensões. Ao contrário da Grécia, Portugal vem obtendo indicadores positivos: o desemprego atingiu a casa de um dígito e o déficit nas contas públicas é o menor em quatro décadas de democracia.

A abertura das fronteiras a estrangeiros que queiram viver em solo português é um caminho para dar fôlego à economia. Atraídas pelas oportunidades no mercado de trabalho, levas de brasileiros estão se mudando para lá. Costa afirmou a VEJA, em sua segunda visita ao Brasil: “Somos uma boa porta de entrada para a União Europeia. Para nós, é um prazer vocês nos descobrirem. É como se estivéssemos acertando uma dívida de 500 anos”.

Fonte: Veja

 

 

 

Número de filhos nascidos de pais que não vivem juntos duplica em seis anos

População portuguesa diminui. Proporção de nascimentos “fora do casamento sem coabitação dos pais” passou de 9,2% em 2010 para 17,1% em 2016. Houve 422 celebrações de casamentos entre pessoas do mesmo sexo, mais 72 do que no ano anterior

 

 

 

A grande fatia das mães em 2016 tinha entre 20 e 34 anos, mas aumentam nascimentos de mulheres com mais de 35 anos
A grande fatia das mães em 2016 tinha entre 20 e 34 anos, mas aumentam nascimentos de mulheres com mais de 35 anos DANIEL ROCHA / PÚBL

Portugal continua com um saldo natural negativo. Ou seja, confirmando as tendências dos últimos anos, em 2016 houve mais gente a morrer do que a nascer, fazendo com que a população diminua pelo oitavo ano consecutivo. Do total de 87.126 crianças nascidas, 52,8% são filhos “fora do casamento”, ou seja, de pais que não estão casados. Aumentou a proporção de filhos nascidos de pais que não vivem juntos: quase duplicou em seis anos, passando de 9,2% em 2010 para 17,1% em 2016. No ano passado, 35,7% dos nascidos eram filhos de casais que coabitam

Estas são as Estatísticas Vitais do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgadas nesta quinta-feira, que mostram que no ano passado nasceram mais 1,9% de crianças em Portugal do que no ano anterior, só que o número de mortes também aumentou em 1,8% (representando mais de 110 mil). A maioria foi do sexo masculino (quase mais 2500 rapazes).

Desde 2009, houve mais 80 mil mortes do que nascimentos

Desde 2009, houve mais 80 mil mortes do que nascimentos

Já em relação à idade das mães, a grande fatia vai para as mulheres que têm entre 20 e 34 anos (que representa 66%), enquanto o grupo das que têm menos de 20 anos continua a decrescer desde 2010 (passou de representar 4,1% dos nascimentos para 2,5%). Inversamente, as mulheres que são mães com mais de 35 anos continuam a crescer: foi quase 10% entre 2010 e 2016, passando de 21,8% para 31,5% no último ano.

Mais mortes de homens

Nos óbitos, registaram-se mais homens (55 601) do que mulheres (54 934) e a esmagadora maioria (85%) tinha mais de 65 anos. Houve ainda 278 mortes de crianças com menos de um ano, mais 28 do que no ano passado, o que significa uma taxa de mortalidade infantil de 3,2 óbitos por mil nados vivos (era 2,9 em 2015), segundo contas do INE.

Setembro continua a ser o mês em que mais crianças nasceram entre 2010 e 2016 (excepto em 2011, ano em que o mês com maior número de nascimentos foi Julho). Fevereiro mantém-se como o mês com menos nascimentos (uma regra que 2011 voltou a ser quebrada já que nesse ano Abril teve o menor número de nascimentos).

Por outro lado, se nasceram mais crianças em Setembro, já as mortes aconteceram sobretudo em Dezembro (em 2015 Janeiro tinha sido o mês com mais registos de óbitos). Apesar de a mortalidade apresentar um padrão geral sazonal – mais no Inverno, e menos na Primavera e no Verão – em 2016 houve mais óbitos em Julho e Agosto, se comparado com o período homólogo de 2015.

Já em relação aos casamentos, houve 422 celebrações entre pessoas do mesmo sexo, mais 72 do que no ano anterior. A maioria desses, 249, foi entre homens, e 173 entre mulheres. A preferência continua a ser pelo civil: dos 32.399 registados, 64,2% celebraram-se dessa forma, e 35,3% pela Igreja Católica, sendo muito baixo o número de casamentos por outras formas religiosas (0,5%).

Daqueles que se casam, a maioria já co-habitava antes de dar o nó, situação que tem vindo a aumentar significativamente nos últimos anos, passando de 44,2% em 2010 para 56,1% em 2016. O INE não registou variação significativa de 2015 para 2016 no número de casamentos, que passaram de 32.393 para 32.399.

Fonte: O Público

Descobrimento às avessas

Cada vez mais brasileiros de classe média e alta se mudam para Portugal, atraídos pelas facilidades do país europeu

Descobrimento às avessasINVESTIMENTO Os brasileiros representam 10% dos estrangeiros que compram imóveis em Portugal

 

MUDANÇA Regina Angerami e o marido, Guilherme Schibik, vão entrar legalmente no país europeu com o visto de aposentados

MUDANÇA Regina Angerami e o marido, Guilherme Schibik, vão entrar legalmente no país europeu com o visto de aposentados

 

 

 

O Brasil está descobrindo Portugal. Alguns números ilustram esse movimento de migração impulsionado pela crise brasileira e pelos vários atrativos que a nação irmã oferece. Em 2014, havia 87.493 brasileiros legais naquele país. Em 2016, já eram 116.271. Somente este ano, aumentou em 35% o número de concessões da cidadania portuguesa para a população do País. E, entre 2010 e 2017, foram mais de 87 mil nacionalidades concedidas para cidadãos do território nacional. Sendo 46.749 só em São Paulo. Os motivos para essa diáspora, justamente para Portugal, são muitos (leia quadro). A advogada carioca Nicole Adele Kertesv, que trabalha com pedidos de dupla cidadania e recolocação há 20 anos, cita, pela ordem, a violência urbana, a crise econômica e a insegurança política. “Percebo um aumento de pedidos 100% maior em relação ao mesmo período do ano passado”, afirma.

Há algumas formas de migrar legalmente para o território europeu. Por meio do visto fornecido pelo Consulado ou das Conservatórias e Registro Civil, diretamente em Portugal. A especialista em registro civil português Guiomar Bitetti aponta mais uma opção. “Quem tem dinheiro para comprar um imóvel de U$ 500 mil (R$ 1,57 milhão) ou abrir uma empresa e empregar dez portugueses, consegue o Visa Gold que, posteriormente, vira nacionalidade.” A aposentadoria também é uma porta de entrada. E essa foi a opção dos paulistanos Silvia Regina Angerami, 58, e do marido, Guilherme Schibik, 64, que desembarcarão no Algarve, litoral sul, no dia 6 de maio. Eles têm visto de aposentados, que é válido por um ano e pode ser renovado. O casal está trocando um apartamento próprio de 320m2 na capital paulista por um imóvel menor e alugado. “Será nossa nova fonte de juventude”, diz Silvia.

É mais fácil conseguir o visto para morar em Portugal do que em outros países da Europa ou nos Estados Unidos

PERFIL O paulistano Carlos Rebolo é um funcionário graduado de uma empresa de tecnologia e mora em Lisboa

 

 

 

PERFIL O paulistano Carlos Rebolo é um funcionário graduado de uma empresa de tecnologia e mora em Lisboa

 

 

 

Diferentemente de fluxos migratórios anteriores, atualmente quem está se deslocando para o país europeu é a classe média, com bom poder aquisitivo. A informação é confirmada pela diretora do departamento consular do Itamaraty, Luíza Lopes da Silva. Um exemplo do novo perfil é o paulistano Carlos Rebolo, 37, que mora em Lisboa e trabalha com países europeus e africanos para a empresa de tecnologia Hewllet Packard, a HP. “Em outras épocas, nós vínhamos para trabalhar em construção civil, faxina, trabalho pesado. Agora, tem muitos brasileiros qualificados, como é o meu caso”, diz Silva.

Apoio do Itamaraty

Se antes o departamento consular e de brasileiros no exterior do Itamaraty dava muita assistência a pessoas de baixa renda, hoje o maior problema da comunidade nacional se refere à violência de gênero, “que atinge mulheres de todas as classes sociais”, diz a diretora Luiza, baseando-se no serviço de discagem internacional, o 2030 8823, criado pelo órgão. Fugindo da crise e da violência, a carioca Abadia Vieira, 41, levou sua empresa de teatro motivacional para Lisboa há um ano. Casada e mãe de dois filhos, a família foi dividida – ela e o caçula foram para Portugal, o marido e o primogênito ficaram no Rio. “A intenção é juntar todo mundo em Lisboa”, afirma a empresária, que está confiante que fez a escolha certa. “Portugal está em uma fase positiva, de olhos no mundo. A cultura, a língua, tudo facilita na hora de apresentar projetos aqui.”

ESPERANÇA A carioca Abadia Vieira se mudou primeiro com o filho caçula. E aguarda o marido e o primogênito

 

 

 

ESPERANÇA A carioca Abadia Vieira se mudou primeiro com o filho caçula. E aguarda o marido e o primogênito

 

 

10 vantagens de se morar em portugal

1. Idioma
Há algumas diferenças no vocabulário, mas o idioma é o mesmo, o que facilita a comunicação e a adaptação

2. Facilidade na documentação
Para os brasileiros o processo de residência legal em Portugal é muito mais rápido e simplificado em relação a outros países europeus

3. Segurança
A violência é muito menor em Portugal. Enquanto o país europeu ficou em quinto lugar no Índice Global da Paz 2016, feito pelo Instituto para Economia e Paz (IEP), o Brasil ocupa a 105ª posição de nação mais pacífica

4. Sistema de Saúde
Um dos principais motivos que os brasileiros apontam para escolher Portugal: o sistema de saúde é bem melhor do que o brasileiro

5. Economia
Outro motivo apontado pelos brasileiros que moram em terras portuguesas é o custo de vida mais baixo. Viver lá é melhor e mais barato

6. Transporte e estradas
Sistema de transporte público eficiente e estradas em boas condições

7. Educação
O relatório educacional PISA 2012-2015, programa internacional de avaliação de estudantes, mostra que Portugal é o único país europeu que continua a melhorar a educação desde o começo deste século

8. Internet
Item essencial, principalmente para quem está longe da família, a Internet no país tem uma velocidade muito superior à brasileira

9. Clima
As estações são bem definidas. Invernos sem frio intenso e verões quentes e secos

10. Culinária
Restaurantes para todos os bolsos, além de ótimas opções de vinhos

Fonte: Isto É

Por que tantos cariocas estão elegendo Portugal como segunda casa

Clima agradável, qualidade de vida e facilidade da língua empolgam nova leva de imigrantes


Terraço do Rio Maravilha, gastrobar que faz homenagem ao espírito carioca, na LX Factory - Joana Dale / Agência O GLOBO

 

Dez dias ininterruptos de sol. A surpresa meteorológica, em pleno inverno europeu, encantou a artista plástica Vitória Frate e o ator Pedro Neschling, casal de cariocas que caiu de paraquedas na capital portuguesa no meio de uma temporada de estudos no Velho Continente.

 

 

— Depois de duas semanas no Norte da Europa, tínhamos dez dias livres, e a ideia era seguir para a Polônia. Mas estávamos cansados do frio e, na hora do check in, decidimos trocar Varsóvia por Lisboa. O amor foi imediato — conta Vitória, que guarda como lembrança de janeiro de 2012 fotos do casal na Torre de Belém com o sol como testemunha. — Voltamos outras vezes e, desde o ano passado, começamos a dividir a vida entre lá e cá.

O agradável clima de Lisboa — cidade que tem a média de 260 dias ensolarados por ano e cuja temperatura mínima raramente é inferior a dez graus — costuma ser um dos primeiros pontos listados pela enxurrada de brasileiros que vêm elegendo Portugal como segunda casa. Os laços que unem os dois países há mais de 500 anos, a proximidade cultural e, claro, a facilidade da língua completam o pacote.

— Às vezes, me sinto mais em casa em Lisboa do que em São Paulo — ri Vitória. — A minha família paulista vai ficar brava, mas a questão do sotaque é real. O carioquês tem muito do português lisboeta, que foi a nossa principal influência, além dos sotaques africanos. A gente chia como eles, fala os erres como eles, só pronunciamos mais as vogais, coisa que eles não fazem de jeito algum. Enquanto o sotaque paulistano tem muita influência do italiano, ? E Lisboa também tem um ar mais relaxado, como o Rio.


Vitória Frate e Pedro Neschling, na Torre de Belém: casal se divide entre lá e cá desde o ano passado - Arquivo pessoal

Em termos práticos, mudanças na legislação portuguesa são outros atrativos consideráveis. Para tentar sair da crise que assolou o país nos últimos anos, o governo lusitano criou uma série de incentivos, como benefícios fiscais e concessão de visto de residência para investimentos acima de 500 mil euros, o chamado Golden Visa. Embora sejam considerados hoje os melhores clientes das agências imobiliárias lisboetas focadas no mercado de luxo, os brasileiros representam apenas 4% dos pedidos de Golden Visa — os chineses são a grande maioria (83%).

— Os números não correspondem à avalanche de brasileiros comprando imóveis porque muitos já têm, por parte do avô ou da avó, cidadania portuguesa — ressalta Mario Vilalva, embaixador do Brasil em Portugal.

Para o diplomata, a ascensão do turismo no país e a queda no valor dos imóveis, em decorrência da crise econômica, foram determinantes para o boom:

— Quando começaram a redescobrir Portugal, inicialmente como turistas, os brasileiros passaram a enxergar Lisboa como uma possibilidade de segunda casa, como aconteceu com Miami tempos atrás — analisa Mario Vilalva.

Aguinaldo Silva, Glória Perez, Cláudia Abreu, Fernanda Torres e Paolla Oliveira, só para citar alguns nomes conhecidos, integram a cada vez mais extensa lista de proprietários na capital portuguesa.

— O que eu mais gosto de fazer em Lisboa é andar nas ruas, sem sobressaltos, descobrindo lugares — conta Glória Perez, que tem passado férias no apartamento que comprou em frente ao Parque Eduardo VII. — É tudo tão familiar, a gente se sente na casa dos avós. E está mesmo lá, não é só impressão. Além dos amigos, tenho primos em Lisboa. Primos portugueses. De modo que, quando vou, também estou em família.

Ator português que se divide entre Rio e Lisboa há mais de uma década, Ricardo Pereira está orgulhoso por testemunhar o movimento migratório.

— Fico feliz em notar que o meu país finalmente cativou os brasileiros. São duas potências irmãs que só ganham com a troca — diz o ator, que vive com a caixa de entrada lotada de e-mails de amigos cariocas pedindo dicas da terrinha.


Joana Balaguer na LX Factory: atriz criou site para fazer a ponte entre Portugal e Brasil - Arquivo pessoal

O crescente fluxo de brasileiros rumo a Portugal, seja para passar temporadas, morar ou turistar, inspirou a atriz Joana Balaguer a criar um site, o Cidades de Portugal, lançado semana passada, para fazer a ponte entre os dois países.

— Portugal está tão na moda que ganhou até a Eurocopa — brinca Joana, há um ano baseada em Lisboa com o marido, o português Paulo Miguel Palha de Souza, e o filho Martín, de 2 anos.

Endereço frequentado pelos descolados locais, a LX Factory ganhou destaque entre as primeiras publicações. A antiga fábrica de fiação e tecidos é ocupada por cafés, bares, lojinhas de design.

— A LX é o Soho de Lisboa — diz ela, que também listou os seus rooftops preferidos, entre eles o Topo, na Mouraria, o Sky Bar, na Avenida da Liberdade, e o Rio Maravilha, em Alcântara.

Um dos mais novos espaços da LX Factory, o Rio Maravilha é um gastrobar com vista panorâmica para o Rio Tejo. O horário mais concorrido é o fim de tarde, para tomar um drinque no coloridíssimo mesão, ao lado da escultura de uma mulher de braços abertos, criada sob encomenda pelo artista português Leonel Moura.

— É a namorada do Cristo Rei, que estava lá do outro lado do Tejo sozinho há um tempão — conta um garçom, enquanto serve bebidas, referindo-se ao santuário inspirado no nosso Cristo Redentor, erguido em Lisboa em 1959.

O Rio Maravilha ocupa o espaço onde antigamente funcionava a sala de convívio dos operários da fábrica.

— A ideia é que, em um mundo tão virtual, a essência do lugar inspire a convivência na vida real — conta o relações-públicas Roger Mor. — Muitas vezes, o desbloqueador de conversa é a mulher de braços abertos, que faz uma alusão ao convívio de Portugal com o restante do mundo e não deixa de ser uma grande homenagem ao Rio de Janeiro.

Em um passeio pela LX Factory, descobre-se mais um pouquinho de Brasil aqui e ali. Como a charmosa lojinha Oh! Brigadeiro, especializada no docinho, e o Café na Fábrica, que serve pão de queijo, açaí, empada de queijo e coxinha de galinha, entre outros quitutes.

— A coxinha é um dos maiores sucessos. Muitos portugueses que já moraram no Brasil vêm aqui atrás da pera, como a chamam, para matar a saudade — conta Carolina Henke, sócia dos dois estabelecimentos, que dez anos atrás foi para Lisboa fazer mestrado, casou com um português e por lá ficou.

O angolano Mário Almeida e a brasileira Mona Camargo comandam o Espelho D’Água - Lili Staros / Divulgação

A coxinha de galinha, por sinal, está em todas. O salgadinho aparece em uma versão com massa de mandioca no menu do Espelho D’Água, ao lado do “pastel de vento” e do bolinho de arroz recheado com sardinha.

— A proposta do cardápio é ressaltar as influências de Brasil, Angola e Índia na gastronomia portuguesa, como forma de mostrar uma faceta mais afetiva e nem tão evidente das expedições portuguesas — conta a paulistana Mona Camargo, curadora do espaço dirigido por seu marido, o angolano Mário Almeida.

Misto de restaurante, café, casa de shows, galeria e residência artística, o Espelho D’Água ocupa os 1.500 metros quadrados de um edifício modernista de 1940, inaugurado pelo ditador Antonio Salazar como parte da Exposição do Mundo Português, às margens do Tejo. Fica colado ao simbólico Monumento aos Descobrimentos.

Em pouco mais de um ano de funcionamento, virou uma informal embaixada lusófona, com shows semanais de músicos angolanos e brasileiros.

— Quando um artista vem para cá, ele descobre uma relação não só com a Europa, mas também com as raízes africanas — observa Mona. — Além disso, muitos portugueses que saíram do país no auge da crise em busca de oportunidades no Brasil agora estão voltando para Lisboa. Desta vez, com maridos ou mulheres brasileiros.

É mais ou menos o que aconteceu com a portuguesa Kiki Caldas, de 33 anos. Depois de cinco morando fora, ela voltou para Portugal com o marido, o paulista Felipe Kopanski. O casal trocou o apartamento onde vivia no Vidigal por uma casa em Cascais para criar a filha, Matilda, de 2 anos.

Ao lado de outros dois amigos brasileiros, os cariocas Rique Inglez e João Marcus Cavalcanti, Kiki e Felipe inauguraram há três meses a Wozen, misto de galeria de arte e estúdio de tatuagem. Atualmente, está em cartaz no espaço a exposição coletiva “Glocal”, com trabalhos de artistas da Bélgica, da Itália, de Angola, do Brasil…

— A proposta da Wozen é ser um espaço sem fronteiras — conta Kiki, que depois de ter problemas com visto no Brasil publicou no Facebook o “manifesto para cidadania mundial” intitulado WOrldcitiZENship, no qual afirma que “todo indivíduo, em sua condição de ser humano livre, possui o direito de habitar qualquer lugar do planeta”. Daí o nome da galeria.

 


Felipe Kopanski, Kiki Caldas, João Marcus Cavalcanti e Rique Inglez: três brasileiros e uma portuguesa comandam galeria “sem fronteiras” - Divulgação

A nova leva de brasileiros que está atravessando o Oceano Atlântico é recebida de braços abertos pelos portugueses. Nota-se um clima bem diferente do início dos anos 1990, quando um populoso grupo de dentistas brasileiros causou a maior ciumeira na terrinha, a ponto de os profissionais de odontologia locais pressionarem o governo português a cancelar a validação dos diplomas dos estrangeiros.

— O brasileiro não é mais tratado como um estrangeiro em Portugal — afirma o embaixador do Brasil em Lisboa, Mario Vilalva.

Baseados em Lisboa há pouco mais de um ano, os cariocas Andréa Acker e Raul de Lamare, ambos na faixa dos 50 anos, já fizeram vários amigos lisboetas.

— A concorrência das brasileiras só tem feito bem às portuguesas: a figura da gordinha clássica de buço está entrando em extinção — brinca Raul.

— Na academia onde faço ginástica, uma das aulas mais concorridas pelas portuguesas é a M.I.B., sigla de “made in Brazil”, focada em exercícios para as coxas e bumbum — emenda Andréa.

Brincadeiras à parte, os dois estão fazendo uma imersão diária na cultura portuguesa.

— Eu preciso fazer um esforço danado para não chamar ninguém de “você”. Aqui, é preciso falar na terceira pessoa, como o Pelé — conta Andréa.

O casal mora em um simpático apartamento na Estrela, que junto com o Príncipe Real seria o equivalente ao eixo Gávea-Jardim Botânico. Eles não têm data marcada para voltar para o Rio, onde ela trabalhava como produtora de grandes eventos e ele como consultor de restaurantes.

— As nossas vidas estavam em um ritmo muito frenético. Viemos em busca de uma rotina mais calma, para dar uma desacelerada — diz Raul.


Centro histórico de Cascais: passeio pela calçada de pedras portuguesas remete ao Rio - Joana Dale / Agência O GLOBO

Outro concorrido destino em território português para quem busca um estilo de vida mais pacato é Cascais, balneário a 30 quilômetros de Lisboa. Ex-moradora do Leblon, a advogada Paula Monteiro Vianna chegou a morar um ano na movimentada Rua da Misericórdia, no Chiado, mas há quatro anos, quando engravidou do primeiro filho, mudou-se para Cascais.

— A maior parte dos brasileiros que está vindo morar em Portugal está indo para Cascais. É uma vida mais calma, com uma rotina típica de bairro. Chiado e Bairro Alto, em Lisboa, acabam sendo lugares mais procurados por quem compra apartamento para passar temporadas, pois há mais opções de restaurantes e vida cultural ao redor — compara a advogada.

Nos muitos dias de sol, Paula encontra a comunidade brasileira concentrada na caminhada matinal no paredão, como os portugueses chamam o calçadão à beira-mar, que liga Cascais a Estoril:

— Aquela caminhada matinal na Praia de Ipanema é substituída pela caminhada no paredão de Cascais.

Especialista em analisar escrituras e validar diplomas de clientes brasileiros na terrinha, Paula vai e volta todos os dias para Lisboa, onde fica o seu escritório de advocacia. Sem trânsito, é um caminho de 30 minutos. Nos últimos tempos, porém, o trajeto chega a levar duas horas. A situação faz muitos cariocas compararem Cascais à Barra da Tijuca.

— Mas de Barra, não tem nada. O centro de Cascais lembra Búzios de antigamente. Se tem um lugar nos arredores que pode ser comparado à Barra, do ponto de vista dos cariocas da Zona Sul, é o Parque das Nações — explica Paula.

O Parque das Nações é a região mais nova de Lisboa. É quase uma cidade à parte. Também conhecida como Oriente, a área foi palco da Exposição Internacional de Lisboa de 1998, que celebrou os 500 anos dos Descobrimentos Portugueses. Para a ocasião, foram construídos diversos pavilhões com arquitetura moderna e tecnologia de ponta numa antiga e degradada área industrial. Alguns de pé até hoje, entre eles o famoso Oceanário e a Estação do Oriente, projetado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, o mesmo responsável pelo desenho do Museu do Amanhã. O Parque das Nações é o endereço favorito dos chineses.

Chiado, Avenidas Novas ou Santos?

Garagem, prédio com porteiro 24 horas, quarto de empregada e, se possível, vista panorâmica para o Rio Tejo. Alguns brasileiros que chegam a Lisboa querem viver com as mordomias típicas do Brasil. Lista de exigências é para quem pode. Números da Athena Advisers, empresa especializada em negócios imobiliários na Europa que acabou de abrir escritório no Rio, mostram que os brasileiros desembolsaram mais de 20 milhões de euros adquirindo imóveis no Velho Continente em 2015. A expectativa é que o valor dobre este ano.

— Garagem é um artigo de luxo no centro histórico de Lisboa — pondera a portuguesa Carlota Pelikan, consultora imobiliária Athena. — Os brasileiros são os nossos melhores clientes. Um acabou de comprar dois apartamentos nesse prédio da Rua Alecrim. Foi como investimento, para passar férias e alugar no restante do ano. É um prédio tombado que está passando por um processo de retrofit, e a construtora conseguiu reservar um andar para a garagem.

No sobe e desce das ensaboadas calçadas de pedra portuguesa do Chiado, Carlota tira o laptop da bolsa todas as vezes em que um cliente quer saber como será o resultado do retrofit de um edifício. Por fora e por dentro.

— Os brasileiros adoram o fato de os apartamentos serem entregues praticamente prontos, com máquina de lavar, microondas… — conta Carlota, enquanto mostra imagens dos projetos em 3D na tela do computador. — Os cariocas chegam a Lisboa falando em Chiado, mas aos poucos vão descobrindo novos bairros.

Espécie de Leblon no passado, o Chiado hoje é comparado a Copacabana. Mesmo saturado, continua a ser um dos metros quadrados mais caros de Lisboa: oito mil euros, em média. Mas, mesmo assim, ainda está abaixo das áreas nobres de outras capitais europeias: imóveis de luxo em Londres custam até 33 mil euros, o metro quadrado.

— Antes de o governo abrir as janelas para o investimento estrangeiro, não se vendiam imóveis em planta em Portugal, o mercado internacional era praticamente nulo. O programa do Golden Visa aguçou o apetite de quem nunca tinha olhado para cá. Hoje, já não há mais estoque para vendas, situação oposta à que estávamos vivendo em 2011 — analisa o advogado português Manuel Bento Nogueira, do escritório Legal Square, que tem a clientela dividida majotariamente entre brasileiros e chineses.


Terraço-gourmet de empreendimento lançado por arquiteto baiano, nas Avenidas Novas - Divulgação

De olho no bom momento do mercado imobiliário, o arquiteto baiano Sidney Quintela lançou, no último dia 14, o luxuoso Nouveau Lisboa, na Avenidas Novas. Em menos de 30 dias, metade dos 21 apartamentos foi vendida (três brasileiros compraram). Sete apartamentos contam com o chamado “terraço-gourmet”.

— É um conceito de utilização de espaço muito comum no Brasil e que estamos exportando para Portugal. As áreas comuns, com academia de ginástica, piscina, spa, também estão fazendo sucesso — conta Sidney. — Tradicionalmente, as moradas lisboetas têm as áreas internas dos apartamentos mais generosas. A cozinha não é pequena como as nossas, pois quem usa é o dono da casa, não há empregados. Fora isso, como há uma variação de temperatura maior, ficam muito dentro de casa no inverno.

Há dez anos, o arquiteto tem escritório em Lisboa, onde trabalha com projetos residenciais e comerciais. O Nouveau Lisboa é o primeiro empreendimento imobiliário. Mas não será o único. Outros três projetos de prédios residenciais estão em desenvolvimento, na mesma região.

— Avenidas Novas é uma área muito próxima ao centro histórico de Lisboa, a grande procura do mercado. Num raio de 600 metros, você está na Marquês de Pombal e no El Corte Inglés. E a um quilômetro está no Chiado, Bairro Alto — detalha Sidney. — Lisboa é uma porta de entrada para a Europa e um lugar onde se tem um estilo de vida muito atraente. Neste momento, os imóveis estão recuperando o preço original, pois o valor do metro quadrado estava muito aquém. Acredito que, nos próximos dois anos, vai haver um acréscimo de até 10%. E vai estabilizar por aí. Não é uma bolha.


Projeto de quarto com vista para o Rio Tejo, em prédio que será erguido em Santos, o bairro moderninho da vez - Divulgação

O bairro da vez, no entanto, é Santos, que reúne lojas de design, galerias de arte, startups. Lá está sendo erguido o Santos Design, empreendimento da Stone Capital. Os apartamentos têm vista para o Tejo, garagem, dependências, área comum com spa e academia de ginástica. E a noite local ainda é comparada ao Baixo Gávea. O que eles podem querer mais?

Dicas à moda carioca

A Vida Portuguesa: Lojinha com badulaques tradicionais de Portugal, de enlatados (foto) a cerâmica e vela. Filiais no Chiado e Intendente.

Parking: Bateu vontade de tomar um drinque no fim da tarde e, de quebra, com vista? O bar fica em cima de um edifício-garagem no Bairro Alto.

Underdogs: Galeria de arte nos armazéns e loja de pôsteres no Cais do Sodré.

A croqueteria: É autoexplicativo. Quiosque de croquetes (o de atum é um luxo), na Baixa.


Mona, lojinha de design em Santos - Joana Dale / Agência O GLOBO

Mona: Lugar pra respirar (e comprar) design. Fácil, fácil de achar. Só seguir a Rua das Janelas Verdes (a mesma da Wozen), em Santos.

 

Casa dos Ovos Moles: Para adoçar a boca e a vida, na Estrela. Trouxinha, sorvete e bolo, todos de ovos.

Manteigaria: Simples assim. Uma fábrica de pastéis de nata, no Bairro Alto. Vale comer um quentinho.

Miradouro do Adamastor: Tirando o fato de que não tem praia, é como se fosse o Arpoador, um point para ver o sol se esconder, no Chiado.

Fonte: O Globo

Equipe Terra 2012 homenageia Portugal, onde foi recebida calorosamente

05/10/2014

Lisboa

Portugal

Coimbra

Fonte: Youtube

 

 

 

 

 

Na Espanha, Dilma declara que a Europa deve preferir o crescimento econômico ao arrocho fiscal para sair da crise

11/10/2012

A presidente Dilma Rousseff disse em entrevista ao jornal espanhol “El País”, publicada em 18/11/12, que “acata” as sentenças do STF (Supremo Tribunal Federal) no julgamento do mensalão, mas ponderou que ninguém está “acima dos erros”.
“Sou radicalmente favorável a combater a corrupção, não só por uma questão ética, mas por um critério político. [...] Há muitos procedimentos jurídicos neste terreno e como presidente da República não posso me manifestar sobre as decisões do STF. Acato suas sentenças, não as discuto. O que não significa que ninguém neste mundo de Deus esteja acima dos erros e das paixões humanas”, disse a presidente.
Essa foi a primeira declaração de Dilma sobre o mensalão após a condenação dos petistas José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares pelo STF.
A entrevista foi realizada na última segunda-feira, dia em que o Supremo estabeleceu para o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu penas que, somadas, chegam a dez anos e dez meses de prisão. Dirceu foi condenado no julgamento do mensalão pelos crimes de formação de quadrilha e corrupção ativa.
A presidente defendeu realizações dos mandatos de Lula e citou a criação do Portal da Transparência e da Lei de Acesso à Informação. “Poucos governos têm feito tanto pelo controle do gasto público como o do presidente Lula”, disse.
Crise europeia
Dilma criticou as políticas de ajuste fiscal como forma para combater a crise europeia. “Não acredito que o problema da Europa seja seu modelo de Estado de bem-estar. O problema é que foram aplicadas soluções inadequadas para a crise e o resultado é o empobrecimento das classes médias. Neste ritmo, haverá uma recessão generalizada”, disse.
Para a presidente, a melhor maneira de combater a crise europeia seria com investimento e estímulos ao crescimento.
Dilma disse ainda acreditar que o euro seja um projeto inacabado, e que, na prática, não funciona como uma moeda única. 

15/11/12 foi marcado por greve geral e uma série de manifestações em diversos países europeus, sobretudo Espanha, Portugal, Itália e Grécia, no chamado “Dia Europeu de Ação e Solidariedade”. Milhões de trabalhadores aderiram a greves no sul da Europa, nesta quarta-feira, em protesto contra os cortes de gastos e aumentos de impostos que, na avaliação dos sindicatos, espalharam pobreza e aprofundaram a crise da região.

Na Espanha, onde a crise elevou o desemprego a 25%, acontece um dos maiores protestos. Nas primeiras horas da greve no país, 82 pessoas foram presas e 34 feridas, segundo informações do jornal El Pais. Os serviços básicos foram mantidos, mas fábricas foram fechadas e voos cancelados. Segundo o governo, as manifestações pouco prejudicaram o sistema de transporte do país até o momento.

“Estamos em greve para acabar com essas políticas suicidas”, disse Candido Mendez, chefe da segunda maior federação sindical da Espanha, a União Geral dos Trabalhadores (UGT).

A greve geral – convocada pelos sindicatos e pelas organizações sociais contra as políticas de cortes do orçamento realizadas por Madri – é a nona da democracia espanhola e a segunda da gestão do primeiro-ministro Mariano Rajoy, que assumiu o poder em dezembro. Os sindicatos majoritários que a convocaram informaram que a adesão alcançou pouco mais de 80% dos trabalhadores. Cerca de 5 milhões de pessoas, ou 22% da força de trabalho, são sindicalizadas na Espanha. Uma grande manifestação em Madri está agendada para começar às 18h30 (15h30 no horário de Brasília).

O ministro das Finanças espanhol, Luis De Guindos, ressaltou nesta quarta que as medidas de austeridade são a única solução para o país sair da crise econômica. A principal crítica dos espanhóis é que os bancos foram resgatados com dinheiro público, enquanto a população sofre. A Espanha decidiu também nesta semana cancelar os despejos de devedores de hipotecas de suas casas, após duas pessoas cometerem suicídio.

Ricardo Setti: Suicídios tornam agudo o problema dos despejos na Espanha

Portugal – Em Portugal, o transporte público da capital, Lisboa, foi impactado pelas manifestações. O metrô está fechado, quase não há ônibus circulando na cidade e barcos para regiões próximas não funcionam. A greve geral também levou o fechamento de dezenas de escolas e não há serviços municipais de limpeza na cidade, bem como nos centros urbanos próximos. Funcionários do setor de saúde também aderiram à greve.

As ruas de Lisboa devem ser ocupadas nesta tarde, com comícios e passeatas que foram marcados por sindicalistas. Cerca de um quarto da força de trabalho portuguesa, de 5,5 milhões pessoas, é sindicalizada.

Segundo porta-vozes sindicais e veículos de comunicação estatal, os maiores distúrbios, nas últimas horas, aconteceram em garagens de ônibus de Pontinha e Vimeca, em Lisboa, embora não haja informações de feridos graves nem de detenções.

Portugal aceitou no ano passado a ajuda da União Europeia (EU), mas ainda amarga uma economia em queda. Nesta quarta-feira, o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) divulgou a primeira estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) do país no terceiro trimestre, apontando quedas de 0,8% ante o segundo trimestre e de 3,4% em relação ao mesmo período de 2011. Entre abril e junho, o PIB português já havia caído 1,1% na variação trimestral e 3,2% sobre o mesmo período do ano anterior. Ainda segundo o INE, o desemprego alcançou novo recorde no terceiro trimestre do ano, situando-se em 15,8%, contra os 15% registrados no trimestre anterior, e 12,4% no mesmo período do ano passado.

O governo do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho foi forçado a abandonar um aumento planejado de encargos trabalhistas diante dos enormes protestos populares, mas o substituiu por mais impostos.  As políticas de Passos Coelho foram descritas nesta semana como ‘modelo’ pela chanceler alemã, Angela Merkel, que é considerada em grande parte do sul da Europa a vilã da crise por insistir na austeridade como condição para seu apoio e ajuda da UE.

“Estou em greve porque aqueles que trabalham estão basicamente sendo chantageados para sacrificar mais e mais em nome da redução da dívida, que é uma grande mentira”, disse Daniel Santos de Jesus, de 43, que leciona arquitetura na Universidade Técnica de Lisboa.

Itália Nas cidades italianas, dezenas de milhares de trabalhadores também saíram às ruas em mais de 100 manifestações convocadas pelo maior sindicato do país, a Confederação Geral Italiana do Trabalho (CGIL). Os estudantes uniram-se ao movimento em vários protestos contra cortes na educação.

Em algumas cidades de maior porte, como Roma, houve enfrentamentos de estudantes com a polícia que deixaram muitas pessoas feridas. Em Turim, os estudantes entraram nos bancos Intesa Sanpaolo e no escritório do Fisco, onde queimaram documentos, o que levou a polícia a lançar gás lacrimogêneo contra eles. Além disso, policiais enfrentaram estudantes também em Milão e Brescia, na região da Lombardia, onde, segundo veículos de imprensa locais, houve prisão de três pessoas na última cidade.

O epicentro simbólico da greve na Itália foi a cidade de Terni, na região de Úmbria, onde a secretária-geral do CGIL, Susanna Camusso, liderou a manifestação em que reivindicou respostas do governo ‘à face mais frágil do país’. Em Terni fica a fábrica de aço Thyssenkrupp, recentemente desmontada e que deixou centenas de trabalhadores desempregados.

Os sindicatos ainda não divulgaram dados da adesão à paralisação, que no setor privado seria de quatro horas, bem como no transporte ferroviário e naval. Já no setor público, a greve foi convocada para o dia todo, exceto no transporte local e no aéreo.

Grécia – Confederações sindicais gregas, como a GSEE (setor privado) e a Adedy (servidores públicos), além do sindicato dos trabalhadores municipais (POE-OTA), incitam greves que acontecem desde a terça-feira. Nas primeiras horas das ações desta quarta, pelo menos seis edifícios públicos foram ocupados em protesto contra os planos de despedir 25 mil funcionários até o final de 2013, sendo que várias prefeituras iniciaram campanha de desobediência ao governo, na qual se negam a enviar uma lista de candidatos à demissão.

Os advogados e juízes também participam da paralisação, que deverá ser estendida até final da semana. Os professores de todos os níveis educativos também interromperam suas atividades por três horas para protestar contra a redução de seus salários, o anúncio de fechamento de 2 mil escolas e os cortes no orçamento da educação.

Durante as três horas de paralisação, os hospitais públicos só atendem a casos de urgência. Os jornalistas, em greve parcial, só vão trabalhar na cobertura dos protestos.

Apesar de o serviço ferroviário ter sido afetado pela paralisação, os outros modais de transporte urbano continuarão funcionando para que os manifestantes possam comparecer ao centro de Atenas e, posteriormente, retornar a seus lares. Além da paralisação, os sindicatos também convocaram as pessoas para participar de uma passeata que percorrerá o centro da capital grega e terminará em frente ao Parlamento heleno nesta tarde.

Sindicatos de França e Bélgica também planejam paralisações ou manifestações como parte do “Dia Europeu de Ação e Solidariedade”.

Fonte: Veja

 

A companhia aérea espanhola Iberia vai despedir mais de  20% da sua força laboral, 4500 trabalhadores, depois de apresentar  perdas acumuladas nos primeiros nove meses do ano no valor de 263  milhões de euros.
Perante os números, a casa mãe da  transportadora, o grupo IAG, vai apresentar um duro plano de ajustamento para tirar a transportadora da sua situação crítica, o que está a  provocar perdas diárias no valor de 1,7 milhões de euros.
Além  dos despedimentos, a Iberia vai reduzir salários na empresa, diminuir os seus voos em 15% até 2014 e vai prescindir de 15 aviões. A  transportadora também lançou um sério aviso aos sindicatos, se não  houver acordo até fevereiro, o ajustamento vai ser ainda maior, avança o jornal Expansíon.
Desta forma, a IAG pretende que a Iberia chegue a 2015 com uma melhoria nos resultados de pelo menos 600 milhões de  euros, face às fortes perdas registadas este ano. A IAG nasceu da fusão  entre a British Airways e a Iberia, e apesar da holding ter obtido  receitas no valor de 17 milhões de euros até Setembro, contra os 9  milhões do ano passado, a verdade é que o desempenho positivo foi  alcançado companhia britânica que no mesmo período teve receitas no  valor de 286 milhões de euros.

                O primeiro-ministro conservador da Espanha e o líder da oposição irão buscar um acordo de medidas em 12/11/12 para impedir que os bancos despejem os proprietários de suas casas, depois que uma mulher se suicidou antes que a sua propriedade fosse retomada, causando indignação pública.

              “Ninguém deveria ficar sem sua casa por não ter como pagar”, disse o líder do partido Socialista, de oposição, Alfredo Perez Rubalcaba, neste sábado.

              O credor hipotecário espanhol Kutxabank disse que suspenderia as retomadas, depois que a ex-vereadora socialista Amaia Egana, de 53 anos, se jogou da janela de seu apartamento, no quarto andar, em Barakaldo, no País Basco, enquanto oficiais de justiça subiam as escadas para despejá-la, na sexta-feira.

              A morte de Egana, o segundo suicídio ligado aos despejos na Espanha nas últimas semanas, aumentou a urgência de um acordo alcançado na quarta-feira entre o partido governante, o conservador Partido do Povo e os Socialistas, para buscar um acordo bipartidário sobre a retomada de propriedades.

              Pichações, acusando os banqueiros de assassinato e exigindo o fim dos despejos apareceram em algumas agências bancárias no País Basco neste sábado, informou a imprensa espanhola.

              “Estamos passando por coisas que ninguém gosta de ver, situações que são completamente desumanas”, disse o primeiro-ministro Mariano Rajoy, durante uma reunião política, horas depois da morte de Egana. “Espero que na segunda-feira possamos falar sobre a suspensão temporária dos despejos para as famílias mais vulneráveis.”

              Uma medida seria a concessão de carências, informou a imprensa espanhola. Rajoy disse que as regras não seriam retroativas, enquanto que Rubalcaba pediu que fossem incluídos os despejos anteriores.

Houve cerca de 400 mil despejos na Espanha desde que uma bolha imobiliária estourou em 2008. O desemprego atingiu nível recorde de 25 por cento no terceiro trimestre, e a Comissão Europeia espera que a economia se retraia em 1,4 por cento neste ano e no próximo, enquanto a segunda recessão desde o final de 2009 se arrasta.

Cerca de 6.000 pessoas, segundo a polícia, tomaram em 12/10/12 a Praça da Catalunha de Barcelona para participar de um ato contra a independência da Catalunha sob o lema “Temos um só coração e não queremos que nos dividam em dois”.

Em 11 de setembro, dia nacional da Catalunha, um milhão e meio de pessoas haviam participado de um ato em apoio à independência desta rica região do nordeste da Espanha.

A concentração desta sexta-feira, convocada pela plataforma “Espanya i catalans” e que coincidia com a celebração do Dia da Hispanidade, foi festiva e colorida, com muitas bandeiras catalãs e espanholas.

A manifestação começou animada por conjuntos que tocaram músicas espanholas e latino-americanas e terminou com a leitura de um manifesto lido em catalão, castelhano e inglês, que estabelecia: “Ninguém tem o direito de nos pedir que optemos por nossa condição de catalães ou espanhóis” e “não queremos que uma outra realidade seja imposta”.

A leitura terminou com um “viva Espanha e viva Catalunha”.

Também havia cartazes com os lemas “Catalães, estamos todos em liberdade”, “Eu também sou catalão”, “Barça + Madri = Fúria” o “Temos um só coração”.

Em meio à leitura do manifesto as pessoas cantavam “Eu sou espanhol, espanhol, espanhol”, “Catalunha é Espanha” ou “A Espanha inteira e só uma bandeira”.

A maior parte dos lemas fez referência aos valores de unidade da Espanha e contra o nacionalismo catalão, mas, a pedido dos organizadores, não havia bandeiras pré-constitucionais nem símbolos da extrema direita.

Não foram registrados incidentes durante a manifestação, embora alguns separatistas tenham insultado os manifestantes.

Fonte: Yahoo

 

IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube

Fonte: youtube

 

 

Hollande amplia as medidas de austeridade na França, assim como Grécia e Portugal, enquanto a economia americana apresenta leve crescimento

08/09/2012

O governo socialista da França insistiu nesta sexta-feira que levará os
cortes orçamentários adiante e prometeu uma reforma tributária no próximo ano,
contrariando rumores de que estaria abrandando medidas propostas durante a
campanha eleitoral, como a de impor uma alíquota tributária de 75 por cento aos
ricos. O presidente François Hollande, eleito em maio com a promessa de
estimular a retomada de crescimento e taxar mais pesadamente os ricos, disse
que, por causa da economia estagnada, é crucial que a França cumpra a meta de
limitar o déficit público a 3 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013,
sob risco de perder a confiança dos investidores.

 

Hollande disse que, ao não corrigir o valor dos gastos públicos no ano
que vem – exceto no que diz respeito a dívida e pagamentos de pensões -, seu
governo pode economizar 10 bilhões de euros, levando em conta o valor ajustado
pela inflação. Mas isso representaria apenas um terço dos mais de 30 bilhões de
euros que Hollande diz que a França precisaria economizar para cumprir a meta de
déficit do próximo ano, mantendo-se no rumo do equilíbrio orçamentário até o
final dos seus cinco anos de mandato.

 

 

 

 

Como o governo se recusa a demitir servidores públicos, a maior parte do
ajuste precisará ser feita via elevação da arrecadação tributária. “Esse será o
maior esforço em 30 anos”, disse Hollande em um ato público no qual prometeu uma
reforma tributária “audaciosa”, entre outras medidas.

 

 

 

 

Desde 2007, o déficit francês não fica aquém do limite exigido pela União
Europeia, de 3 por cento do PIB. Naquele ano, ficou em 2,7 por cento. Após a
crise dos últimos anos, que levou a dívida pública a 90 por cento do PIB,
Hollande disse que a administração da dívida já se tornou o segundo maior item
do orçamento, o que torna o ajuste mais complexo.

 

 

 

 

Os parceiros da França na UE veem o plano orçamentário como um teste
crucial para avaliar o entusiasmo de Hollande com as reformas, mas há poucos
sinais por enquanto de que ele fará mudanças profundas no ano que vem. A França
não consegue equilibrar seu orçamento desde 1974, e os gastos públicos
atualmente respondem por 56 por cento da produção econômica – valor que, no
Ocidente, só é superado pela Dinamarca.

 

 

 

 

O orçamento será apresentado em 28 de setembro, numa reunião de gabinete
que foi adiada em dois dias para que Hollande participe da Assembleia Geral da
ONU, em Nova York, segundo autoridades.

 

 

O futuro da Grécia está na Zona do Euro, mas sua permanência depende,
principalmente, de que o país respeite os compromissos firmados pelo governo
diante de seus parceiros europeus para aprovar o novo plano de contenção para os
próximos dois anos.

 

Essa foi a mensagem de apoio condicionado que o presidente do Conselho
Europeu, Herman Van Rompuy, entregou nesta sexta-feira ao primeiro-ministro
grego, o conservador Antonis Samaras.

 

 

“Estou convencido de que o futuro da Grécia está na Eurozona. Estou
convencido de que, contanto que a Grécia respeite seus compromissos, os
parceiros europeus continuarão apoiando que permaneça na Eurozona”, afirmou o
líder europeu em entrevista à imprensa após a reunião com Samaras.

 

 

Van Rompuy manifestou sua convicção de que o governo grego “levará a cabo seu
programa” de medidas de economia avaliado em 11,6 bilhões de euros que a UE
exige em troca de um novo pacote de ajuda financeira. Samaras, por sua vez,
pediu a Van Rompuy que o novo empréstimo, de 31 bilhões de euros, parte do
segundo resgate à Grécia, seja entregue a Atenas “o mais rápido possível, para
que haja a liquidez necessária para que o crescimento seja retomado”.

 

 

A Grécia precisa dos fundos para pagar os vencimentos da dívida dos próximos
meses e para fazer a recapitalização dos bancos, que já demora mais do que o
planejado. O pagamento não foi feito e sua aprovação depende do relatório dos
chefes de missão da Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo
Monetário Internacional, que chegaram hoje a Atenas para examinar o novo plano
de austeridade.

 

 

No domingo à tarde, os chefes da chamada troika se reunirão com o ministro
das Finanças grego, Yannis Sturnaras, e ao meio-dia de segunda-feira, com o
primeiro-ministro. Apesar da urgência, o plano de medidas de contenção não está
completamente fechado, e após uma polêmica demora, o conservador Samaras
anunciou hoje que fará uma reunião no domingo com membros de seu governo – o
social-democrata Evangelos Venizelos e o centro-esquerdista Fotis Kouvelis -
para tentar chegar a um consenso.

 

 

Os novos cortes, que já geraram grandes protestos entre os empregados
públicos e os sindicatos, não agradam a todos nos partidos do governo. Quatro
dirigentes do partido social-democrata Pasok enviaram nesta sexta-feira uma
carta ao Ministério das Finanças em que pedem que as pensões da Previdência e os
salários públicos mais baixos não sejam reduzidos.

 

 

Por sua vez, o partido centro-esquerdista entregou a Samaras uma proposta de
medidas alternativas que cortariam as despesas da Defesa e da Saúde, em vez da
Previdência. Por enquanto, Samaras comunicou a Van Rompuy que ordenou que o
processo de privatizações seja acelerado para obter renda e reduzir o déficit
público. Por outro lado, o Instituto de Estatística da Grécia divulgou hoje que
o Produto Interno Bruto recuou 6,3% no segundo trimestre do ano, mantendo a
recessão que já dura cinco anos.

 

 

Na quinta-feira, o Centro de Planejamento e Pesquisas Econômicas (Kepe),
ligado ao governo, avisou que se os novos cortes forem aplicados no prazo de
dois anos, o que é exigido por Bruxelas apesar das reivindicações gregas de
maior tempo, a recessão continuará também durante 2013 e 2014.

 

 

A oposição, liderada pela esquerda radical do Syriza, já manifestou sua
rejeição ao novo plano de austeridade e, seu líder, Alexis Tsipras, criticou
hoje Sturnaras, dizendo que a situação grega não pode ser comparada à crise
argentina de 2001.

 

 

“Quem dera fôssemos a Argentina. Eles passaram um mau momento mas conseguiram
se reerguer com dignidade. Por outro lado, os senhores estão nos levando a uma
situação pior, a uma situação de subjugação”, queixou-se Tsipras no
Parlamento.

 

 

O primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, anunciou
novas medidas de austeridade para 2013, no momento em que o país,
que recebe assistência financeira, tem dificuldades para honrar seus
compromissos de redução do déficit público. Passos Coelho anunciou um aumento
das contribuições para a Previdência Social pelos trabalhadores dos setores
público e privado. Em contrapartida, previu a redução das contribuições
patronais, a fim de favorecer a criação de empregos, quando que o desemprego
ultrapassa os 15% da população ativa.

 

 

 

 

“O governo decidiu aumentar as contribuições para a Previdência Social do
setor privado para 18%, o que permitirá, em contrapartida, reduzir as
contribuições patronais igualmente para 18%”, declarou o primeiro-ministro em
uma declaração à Nação. Até o momento, as contribuições dos funcionários do
setor privado são de 11%, enquanto as das empresas chegam a 23,75%. “Também
reduziremos consideravelmente os custos trabalhistas (…) e faremos isso no
momento em que a situação financeira de nossas empresas é muito frágil”,
acrescentou Passos Coelho.

 

 

 

 

Paralelamente a este anúncio, a troika (UE-BCE-FMI) credora de Portugal
continua a sua quinta avaliação das reformas e medidas de austeridade
implementadas pelo governo de centro-direita em troca de um pacote de socorro de
78 bilhões de dólares, concedido em maio de 2011 pela União Europeia e o FMI.
Mas a austeridade contribuiu para uma forte contração da economia, de 3,3% no
segundo trimestre, enquanto o governo espera um decréscimo de 3% para todo o
ano.

 

 

 

 

O desemprego aumentou e o governo prevê para o próximo ano uma taxa
recorde de 16%. “O desemprego atingiu um nível intolerável”, observou o
primeiro-ministro. A recessão também causou uma redução acentuada das receitas
fiscais e a meta do governo de reduzir seu déficit para 4,5% do PIB até o final
do ano parece impossível de alcançar.

 

 

 

 

Representantes da oposição de esquerda e vários observadores têm
recomendado ao primeiro-ministro que obtenha da Troika uma ajuda adicional ou
prazos mais estendidos para restabelecer a situação econômica, mas Passos Coelho
continua a rejeitar estas ideias, dizendo que não irá pedir aos credores “nem
mais tempo, nem mais dinheiro”.

 

 

O departamento do Trabalho do governo dos Estados Unidos informou
que houve uma queda na taxa de desemprego de agosto, a marca atingiu
o nível de 8,1%. Em contrapartida, o país registrou uma forte queda no índice de
criação de emprego, 96 mil postos foram gerados, 32% a menos que julho.

 

 

 

A taxa de desemprego retrocedeu 0,2% em relação a julho, atingindo a
marca de 8,1% em dados corrigidos de variações sazonais, o nível mais baixo em
mais de três anos, que já havia sido alcançado em abril.

 

 

 

Os números revelados hoje contrariam as expectativas de analistas, que
esperavam uma desaceleração menor contratações, de 130 mil novos postos, e uma
taxa de desemprego estável em relação a julho, de 8,3%. Isso é atribuído a uma
diminuição da população ativa, indicou o Departamento em um comunicado. “A
quantidade de pessoas sem emprego não variou muito, caiu a 12,5 milhões”, assim
como o desemprego de longa duração, que afeta 40% dos desempregados.

 

 

 

As criações de postos de trabalho não foram suficientes para absorver os
recém-chegados ao mercado do trabalho. Segundo o presidente do Federal Reserve
(banco central americano), Ben Bernanke, os Estados Unidos precisam de 100 mil a
110 mil novos empregos por mês para manter a taxa de desemprego estável e
impedir um aumento.

 

Fonte: Terra

 

Crise em Portugal aprofunda-se nos últimos meses

30/08/2012
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube

Fonte: Youtube

Crise da Europa agrava-se em 2012

02/08/2012
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube
IFRAME Embed for Youtube

Fonte: Youtube

 

Os Centros Planetários

20/02/2012

Centros Planetários

Os Centros Planetários são pontos focais da energia universal no planeta, atuam como captadores, transformadores e irradiadores da energia cósmica para a vida terrestre. Estão vinculados a civilizações de elevado grau evolutivo, que apoiam a realização do propósito do planeta Terra. Trabalham em conjunto, formando uma rede sutil de sete elementos, por meio da qual se exprime o governo interno do planeta.

 

conector2

 

LIS FÁTIMA

Em Lis-Fátima encontra-se a essência da vida divina destinada à humanidade de superfície. É o núcleo que guarda a pureza original do homem.

Mirna Jad

Portal da vida monádica, Mirna Jad sintetiza os passos dados pelos homens que se acercam da consciência monádica, ao mesmo tempo que impulsiona os demais a irem além do estágio que alcançaram.

Aurora

Centro incumbido de efetivar o processo de cura planetária, utiliza os meios mais diretos e adequados para introduzir na vida da Terra o divino, o perfeito, o transcendente.

Erks

É o centro iniciático para a humanidade terrena. Desvela a vida espiritual aos que podem conhecê-la e coloca-nos diante dos limiares da existência divina.

Iberah

O trabalho de Iberah destina-se principalmente à vida da matéria em si, à vida da substância que compõe todas as formas manifestadas no plano físico cósmico. Os processos de transmutação e de transubstanciação constituem instrumentos desse enigmático centro

Anu Tea

O papel desse centro na vida planetária está intrinsecamente ligado à formação e desenvolvimento da consciência individual, por meio do estímulo à construção e aprimoramento do corpo da alma.

Miz Tli Tlan

Simbolicamente, Miz Tli Tlan tem a função de um coração planetário, por ser um núcleo que transmite a seiva vivificadora para todo o corpo da Terra. A vida divina é a pura manifestação do centro Miz Tli Tlan.

Textos extraídos de:
Trigueirinho, Glossário Esotérico – Uma obra dedicada aos tempos novos
7a Edição, São Paulo: Editora Pensamento, 1994.

Quadro Resumo

A coluna referente à localização no quadro é uma indicação da posição geográfica que representa o núcleo de irradiação da energia dos Centros Planetários.   A última coluna destaca a qualidade de energia irradiada pelos Centros.

Os          Centros Planetários
Centro Localização Irradiação
Lis-Fátima Península        Ibérica Pureza       original
Mirna Jad Minas Gerais,        Brasil Consciência        monádica
Aurora Salto,        Uruguai Cura       planetária
Erks Córdoba,        Argentina Conhecimento        iniciático
Iberah Viedma,        Argentina Transmutação        da matéria
Anu Tea Oceano        Pacífico Consagração        do conhecimento
Miz Tli Tlan Selva del        Manu, Peru Regência        planetária
conector2

Nossa Senhora envia mensagem vinda de Lis, em Fátima, Portugal

Filhinhos do meu coração que a paz do Divino Pai esteja com todos vocês e Minha proteção materna vos acompanhe sempre.

Cada dia que passa a humanidade está mais próximo dos acontecimentos descritos na Santa Palavra da Escritura Sagrada. O braço do meu Pai começou a descarregar sobre muitas nações, gritos de guerra começa a ser ouvida, o homem em seu egoísmo e arrogância vai trazer morte e desolação. Orem meus filhinhos, porque os seres da escuridão deste Mundo acordaram e querem exterminar a maioria da humanidade. Todos os conflitos internos que estão ocorrendo em muitos países irá desencadear guerras, tudo isso é orquestrado e planejado pelos emissários do mal, que querem desestabilizar a paz, e iniciar a III Guerra Mundial.

Por trás de tudo isto é o nosso adversário e seus agentes terrenos que buscam eliminar
grande parte da população mundial. Há um plano para começar uma guerra em grande escala, o que seria catastrófico para a criação e da humanidade. Crianças, percebo com tristeza que dentro do Vaticano, há forças obscuras que querem desestabilizar a as Verdades de meu Filho, para desencadear um cisma (Do grego skhísma, «fenda; separação», pelo latim schisma, «cisma») , o que traria conseqüências terríveis para o Mundo. Muitas almas serão perdidas pela desobediência de muitos dos Meus favoritos. eles querem criar um Mundo à sua maneira e diferente da doutrina de meu Filho.

Cuidado com os que não seguem os ensinamentos do Espírito, e com a sabedoria do Divino. Orem pelas crianças pequenas, para que sejam salvas antes do tempo determinado pela vontade do maligno. Faça uma corrente de oração Mundial, para retardar o curso desses eventos que são acionados, pelas forças da escuridão Volto a dizer: A sucessão de conflitos armados em diferentes países, para desencadear a guerra e a divisão dentro da Espiritualidade, traria o cisma e a aparência antes de ser descrito de iniquidade. Filhinhos, não Me abandonem. Orem Comigo, para impedir os planos do nosso adversário e seus emissários do mal. Exorto os meus filhos favoritos fiéis ao Cristianismo, as legiões que levam meu nome, militante militar, religioso e religiosa, e almas consagradas para o mundo católico em geral, está na altura de todos se mostrarem como são na realidade, sem máscaras nem falsidades e UNIR-VOS em Amor Vibral É o momento para esta Mãe acompanhar o vosso caminho para o Calvário. Que a paz de Nosso Pai/Mãe inunda os Nossos corações e que a luz do Espírito Santo possa guiá-lo para a Verdade.
Eu Sou Vossa Mãe: Senhora de todas as Nações. Eu Sou Maria da Conceição,
Aquela que deu à Luz o vosso Salvador

E vos falo de Lis Fátima através do corpo e mente deste meu Filho Jor Ra El

Dai a conhecer as Minhas mensagens para toda a humanidade.

Fonte: Anjo de Luz

Será que o eixo da Terra já virou?

30/12/2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Queridos Leitores,

Nós, do Terra 2012, estamos encerrando nosso primeiro ano juntos, e não poderíamos deixar de registrar nosso agradecimento a todos vocês, leitores de tantas cidades do Brasil e do mundo.

Além disso, vamos conversar um pouco sobre o tema principal de que trata nosso site: a Terra

2011 foi um ano muito intenso, e é por isso que usamos a expressão acima de que seu eixo já poderia ter virado, em analogia a tantas mudanças que houve no planeta.

Vamos relembrar alguns fatos que mostram que a Terra está mesmo saindo da terceira e entrando na quinta dimensão:

* o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) tenta controlar os abusos dos juízes, contando com o apoio da população, mesmo o próprio STF, por meio de uma liminar, restringindo-lhe os poderes; em outros Poderes também se tenta varrerr a corrupção, como o que fez Dilma, ao demitir 5 ministros acusados de irrregularidades

* o aumento do salário mínimo para R$ 622,00 deve injetar R$65 bilhões de Reais na economia em 2012

* as chuvas na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro, o tsunami atômico do Japão e o tufão das Filipinas provocaram o desencarne de muitas pessoas, mas isso faz parte do processo de retirada do planeta dos espíritos que não estão preparados para viverem na nova dimensão, associado ao renascimento dos sobreviventes na própria Terra, baseado em uma vida mais simples e verdadeira, focada no que realmente vale a pena, que é a vida e o convívio com as pesss quoae amamos

* um vulcão espalhou cinzas por todo o planeta, e isso também mostra o movimento de deslocamento daquele no universo

* na Arábia Saudita, o Rei Abdullah permitiu a entrada do Twitter e que as mulheres votem e sejam votadas nas eleições locais, diante dos movimentos populares da “Primavera Árabe”, que visam à derrubada das ditaduras do Islã, como ocorreu no Egito e na Tunísia

* os Estados Unidos podem vir a dispensar os vistos de turistas a brasileiros, devido à expansão de nossa economia

* no Brasil, já há crise de mão-de-obra, principalmente, em setores como a construção civil, também em decorrência da boa fase da economia

* os Estados Unidos e a Europa enfrentam grave crise econômica, marcada, sobretudo, pelo desemprego, mostrando a derrocada do atual modelo econômico, com a emergência de outro mais igualitário entre os povos, sentimento abertamente defendido pelo povo de países essencialmente capitalistas, como os nova-iorquinos

* o Estado pacificou e reocupou vários morros cariocas, levando à derrocada do poder dos traficantes de drogas

* o MST (Movimento dos Sem Terra) praticamente acabou, graças aos avanços no campo, programas sociais e redistribuição de renda no Brasil

*Steve Jobs, com sua Apple, conseguiu trazer o microcomputador para o quotidiano das pessoas, ajudando-as a viverem na era da informação

* Entretanto, como Gaia ainda é um planeta em regeneração, não faltaram fatos que mostram que boa parte dela ainda permanece na terceira dimensão. Vejamos alguns deles:

* a Coreia do Norte, um dos países mais fechados do mundo, perdeu seu ditador, mas ameaça o resto do mundo com seu arsenal nuclear

* mais de 11 milhões de brasileiros ainda vivem em favelas, a maioria deles, no Rio e São Paulo

* terroristas como Kadafi e Bin Laden, em vez de serem presos, foram mortos e torturados por dirigentes ou pelo próprio povo, mostrando que o primitivismo ainda faz parte da natureza de muitos espíritos encarnados na Terra

* assassinos eliminaram vidas inocentes em escola do subúrbio carioca e da Noruega

* já somo 7 bilhões de pessoas para serem alimentadas no planeta, e produzir alimentos para todos é um desafio, principalmente, ante as mudanças climáticas e a necessidade de preservação ambiental

* a epidemia de contaminação por bactérias e pelo câncer indica que há espíritos que terão de desencarnar da Terra por não vibrarem na mesma nova dimensão desta, apesar de que o poder da fé em Deus, por meio da oração e das terapias naturais, como Reiki e chama violeta, por exemplo,  pode levar os doentes à cura, aliado a tratamentos médicos adequados, já que a medicina vem se sofisticando dia a dia, sobretudo em países como o Brasil

Abraços fraternos,

Equipe Terra 2012, diretamente de Goiânia, linda Capital do Estado de Goiás

 

 

A crise em Portugal

26/11/2011

Em 23 de Novembro, houve greve geral.

IFRAME Embed for Youtube

Fonte: Youtube

Eleição em Portugal

06/06/2011

No último domingo, também houve eleições em Portugal, mas legislativas, em que Pedro Passos Coelho, do PSD (Partido Social Democrata), venceu como Primeiro-Ministro.

Portugal enfrenta forte crise econômica, da qual pretende sair por meio de medidas contracionistas, exigidas pelos demais membros da União Europeia e pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) para emprestar-lhe 78 bilhões de euros.

O clima na Europa, porém, segue tenso, com cerca de 100 cidades tendo aderido ao chamado Movimento dos “Indignados”, liderado por Madrid, mas que, também no domingo, contou com importante manifestação em Atenas contras as mesmas medidas de recessão exigidas da Grécia para que lhe sejam emprestados mais 100 bilhões de euros até 2014, além dos 110 bilhões já fornecidos, sendo 40 deles oriundos da eurozona e do FMI, 30, de investidores privados, ao adquirirem títulos da dívida grega e trocarem os de curto pelos de longo prazo, e 25, decorrentes de privatizações.  

Na Grécia, o aumento dos tributos atinge, sobretudo, a propriedade imobiliária e os serviços, os salários e benefícios previdenciários sofreram cortes, e o desemprego atinge 16% da PEA (População Economicamente Ativa). Uma greve geral está prevista no País, em 15/6/11.

Fonte: Der Spiegel

« Próximas
Rádio Anjos de Luz

Com agradecimento à Fada San. Visite www.anjodeluz.net

EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish
Acessar

Meu perfil
Perfil de usuário Terra 2012 .
Receba newsletters

Seu e-mail

Leitores do Terra 2012 pelo mundo
free counters
Quem está Online
8 visitantes online agora
1 visitantes, 7 bots, 0 membros
Map of Visitors
Enquetes

SE DILMA CAIU, FORA TEMER TAMBÉM?

View Results

Loading ... Loading ...
Escreva para a grande fraternidade branca

Grande Fraternidade Branca
Com agradecimento ao Espaço Hankarra. Visite hankarralynda.blogspot.com

Prezado Leitor, se você é uma pessoa solitária, quer desabafar ou deseja uma opinião fraterna e desinteressada sobre algum problema que o aflige, escreva-nos carta para o endereço informado no rodapé do site, ou, se preferir, mande e-mail para grandefraternidadebranca
@terra2012.com.br
.

Todas as correspondências serão respondidas no menor prazo possível.

arvore

Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE!