Participe de nossos abaixo-assinados
Petição Pública
Prezado Leitor, sua participação é muito importante para nós. Pedimos que, no site www.peticaopublica.com.br,
para cada abaixo-assinado de que você queira participar, digite seu nome completo, RG ou CPF e e-mail. Aproveite para recomendar o site a sua rede de contatos. Obrigada.
Lista de Links
Sala de atendimento
Clique na porta
para acessar Porta

Clipping

Greve de caminhoneiros para Brasil

29/05/2018

Pautas locais, intervenção militar e ‘Fora, Temer’ dão fôlego à greve de caminhoneiros

Um homem com mãos sujas de graxa dentro de uma oficina mecânica precária. Ele bate furioso com o martelo no balcão, enquanto grita uma série de xingamentos contra o presidente da República. “Nenhum brasileiro aguenta mais você, seu (…), do Michel Temer. Eu fico aqui batendo marreta e não consigo dar alimento pra minha família, cê tá entendendo (…). Ninguém aguenta mais essa vida de trabalhar e não conseguir nada!”. Ele termina o vídeo de 2 minutos e 33 segundos em lágrimas, pedindo apoio à greve dos caminhoneiros.

Distribuído em grupos de motoristas grevistas no WhatsApp aos quais a BBC Brasil teve acesso, o vídeo ilustra o clima nesta segunda-feira, 8º dia de greve dos caminhoneiros. Com a pauta econômica dos transportadores atendida, o movimento continua. Agora, a greve é movida por reivindicações locais e por uma pauta política, que inclui a saída de Michel Temer (MDB) e a defesa de intervenção militar. O diagnóstico é dos presidentes da CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos) e da Unicam (União Nacional dos Caminhoneiros), ouvidos pela BBC Brasil.

A greve dos caminhoneiros chegou hoje ao seu 8º dia. O último boletim da Polícia Rodoviária Federal (PRF), divulgado às 14h desta segunda-feira, mencionava a existência 556 pontos de bloqueio em todo país, e 727 pontos já liberados. Os números são parecidos com os registrados ao longo do fim de semana, mas a PRF diz que os protestos restantes não impedem totalmente a circulação nas estradas. Cidades brasileiras continuaram convivendo hoje com redução da frotas de ônibus, desabastecimento de combustíveis nos postos e cancelamento de voos nos aeroportos.

Interrompendo uma rotina que foi iniciada na semana passada, o governo federal não recebeu nenhum representante dos caminhoneiros para novas negociações nesta segunda-feira.

Caminhão parado na Via Anchieta em São Paulo no domingo: Caminhões parados na Via Anchieta, em São Paulo, neste domingo© Roberto Parizotto / Fotos Públicas Caminhões parados na Via Anchieta, em São Paulo, neste domingoPela manhã, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (Secretaria de Governo) e Sérgio Etchegoyen (GSI) comandaram uma reunião do núcleo de emergência criado pelo governo para tratar do tema. Na saída, Padilha disse ter informações de que há “infiltrados” entre os grevistas, impedindo que os protestos sejam desmobilizados. “Vamos fazer de tudo para combater os infiltrados (…), para que os caminhoneiros possam voltar a trabalhar pensando no suprimento da família brasileira”.

Na noite de domingo, o governo federal se comprometeu a zerar a cobrança de impostos federais sobre o óleo diesel, o que reduziria em R$ 0,46 o preço do litro do combustível vendido às distribuidoras. Segundo o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, o corte de impostos terá um impacto de R$ 9,5 bilhões nos cofres do governo até o fim deste ano.

Reprodução de grupo de WhatsApp de caminhoneiros pedindo Fora Temer: Mensagens contra Temer e pedindo intervenção militar em um grupo de caminhoneiros no WhatsApp© WhatsApp / Reprodução Mensagens contra Temer e pedindo intervenção militar em um grupo de caminhoneiros no WhatsAppNo fim da tarde, o chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas (EMCFA), almirante Ademir Sobrinho, apresentou um balanço das ações realizadas para tentar minimizar os efeitos da greve dos caminhoneiros. Os militares estão priorizando o transporte de combustíveis para veículos policiais e aeroportos, além de insumos para hospitais. Também têm como foco manter o abastecimento de combustíveis em usinas termoelétricas.

Redes confusas

José Araújo da Silva, o China, é presidente da União Nacional dos Caminhoneiros, a Unicam. Na quinta-feira, ele foi um dos sindicalistas que se recusaram a assinar o acordo com o governo.

Militares do Exército protegem refinaria: Militares do Exército protegem entrada de refinaria no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira© Tânia Rego / Agência Brasil Militares do Exército protegem entrada de refinaria no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira“Já liguei para todo mundo (líderes do movimento) hoje e ninguém sabe exatamente o que a base quer”, diz ele. “Ontem (domingo), o pessoal (caminhoneiros que estavam no Palácio do Planalto negociando) aceitou as três medidas provisórias e o Temer publicou. Só que o pessoal agora não está aceitando mais nada”, diz China. Em suas conversas com caminhoneiros, o sindicalista diz ter visto várias manifestações de “Fora, Temer” e também pedindo a intervenção militar entre os grevistas.

O presidente da CNTA, Diumar Bueno, avalia que a situação está se radicalizando por pressão de “pessoas alheias” ao movimento dos caminhoneiros autônomos, e que as manifestações já “extrapolaram em muito a base de representação” da entidade. “Tem gente que quer que o movimento permaneça eternamente, como os pré-candidatos (às eleições de 2018) que estão fazendo do movimento um palanque”, reclama ele.

Nas últimas horas, a BBC Brasil monitorou três grupos de caminhoneiros grevistas no WhatsApp. Mensagens pedindo a saída de Temer da presidência são comuns, assim como vídeos e áudios conclamando a população para se manifestar a favor de uma intervenção militar, entre outras pautas.

“Me parece que a grande maioria quer continuar com a paralisação. Que agora é contra a corrupção, agora é pelo Brasil. Beleza, podemos continuar. Só que nós temos que dar um ultimato à sociedade civil organizada. (…) Nós queremos o apoio da população de verdade, não só em redes sociais”, diz um dos áudios que percorreu os grupos de caminhoneiros. “Agora não é pelo óleo diesel, agora é pelo Brasil. Queremos que a Lava Jato avance, queremos que os casos que estão no STF desçam pro juizado de primeira instância, queremos o fim da corrupção (…)”, diz a mensagem.

Petroleiros em frente a refinaria no Rio de Janeiro: Além dos caminhoneiros, os trabalhadores da Petrobras também interromperam atividades. Na foto, a refinaria de Capuava, no Rio.© Roberto Parizotti / Fotos Públicas Além dos caminhoneiros, os trabalhadores da Petrobras também interromperam atividades. Na foto, a refinaria de Capuava, no Rio.Além de reivindicações políticas, há também certa desconfiança em relação ao acordo firmado entre Temer e alguns representantes dos caminhoneiros. “São sessenta dias só que ele prometeu (de redução de preços). Depois, ele pode fazer o que ele quiser fazer. E com um detalhe: nesse intervalo aí de 60 dias ele pode editar uma série de medidas que impeçam vocês de parar”, diz outra mensagem.

Pautas locais

A maioria dos sindicalistas que representam os caminhoneiros diz, no entanto, que a pauta econômica da categoria foi atendida com as medidas provisórias publicadas pelo governo em edição extra do Diário Oficial na noite de domingo.

“Da pauta inicial que a categoria apresentou para a Confederação (CNTA) e a entidade levou ao conhecimento do governo, o nosso entendimento é que foram atendidas, basicamente, 90%. Tem alguma questão ou outra que depende de uma questão um pouco maior, que depende do Legislativo, que o governo não tem como responder agora. E vamos ter agora uma reunião a cada 15 dias, mas são (pautas) mínimas”, avalia Diumar Bueno, da CNTA.

Michel Temer e ministros nesta segunda-feira: Michel Temer (centro) interrompeu nesta segunda-feira as negociações com representantes dos caminhoneiros© Alan Santos / Presidência da República Michel Temer (centro) interrompeu nesta segunda-feira as negociações com representantes dos caminhoneirosSegundo ele, ainda existem reivindicações locais que podem estar mantendo as mobilizações dos caminhoneiros em alguns Estados.

“Existem também demandas de ordem local. Questões municipais, ou às vezes com o Estado, às vezes com a administração de um porto. Lá no Rio, por exemplo, o pessoal tem um problema com a travessia da ponte Rio-Niterói”, exemplifica Diumar. “E aí o pessoal aproveita nesta hora para tentar resolver esses problemas regionais”, diz ele.

No fim da tarde desta segunda-feira, a entidade presidida por Bueno emitiu nota pedindo que os caminhoneiros que optarem pela manutenção da greve liberem a circulação de caminhões com medicamentos, produtos destinados à merenda escolar e a hospitais, leite e caminhões transportando itens a pedido da Defesa Civil.

Fonte: MSN

Manifestações contra a prisão de Lula espalham-se pelo País e mundo

07/04/2018

 Militância promete ‘vigília permanente’ após prisão de Lula

Apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seguram cartazes em São Bernardo do Campo, em 7 de abril de 2018© Fornecido por AFP Apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seguram cartazes em São Bernardo do Campo, em 7 de abril de 2018O ex-presidente Lula passou sua primeira noite preso em Curitiba, mas seus partidários prometeram manter a pressão com uma “vigília permanente” e apostam em uma rápida mudança de jurisprudência que permita soltá-lo.”Curitiba será o centro da nossa ação política. Só sairemos daqui quando o Lula sair. Essa vigília é permanente”, disse a presidente do Partido dos Trabalhadores, Glesi Hoffmann, diante da multidão de simpatizantes pouco depois de Lula chegar à sede da Polícia Federal (PF) no sábado à noite.

“[Lula] não é um preso comum, é um preso político com grande liderança nacional. É o primeiro preso político depois da reabertura democrática”, acrescentou Hoffmann.

O estudante Christopher Ferreira, de 21 anos, passou a noite no acampamento montado ao lado do cerco policial, equipado com barracas e colchões infláveis. Um cartaz indicava o local onde a imprensa seria atendida.

“Passamos a noite aqui em resistência junto com todos os companheiros que estão prestando solidariedade ao presidente Lula”, explicou Ferreira à AFP na manhã de domingo.

Segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o movimento espera a chegada de dezenas de caravanas de todas as partes do Brasil.

A prisão de Lula se deu em clima de tensão e enfrentamento entre simpatizantes e opositores do ex-presidente.

Enquanto seus adversários lançavam fogos de artifício e estouravam garrafas de espumante para comemorar, os manifestantes a favor de Lula foram dispersados pela polícia com gás lacrimogênio e balas de borracha, a poucos metros de distância.

A origem do incidente foi confusa, segundo jornalistas da AFP no lugar.

A PF afirma que os militantes tentaram invadir sua sede, forçando o portão enquanto Lula aterrissava no heliporto localizado no telhado do edifício, mas os manifestantes afirmam que a agressão partiu da polícia e foi injustificada.

Pelo menos oito pessoas ficaram levemente feridas, informaram os bombeiros.

Fonte: MSN

Brazilian Court Orders Immediate Arrest Of Former President Lula Da Silva: O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva leva ao mão ao peito durante uma missa-ato em homenagem a sua mulher Marisa Letícia, falecida em 2016. A cerimônia, comandada de uma espécie de carro de som, foi realizada nos aforas do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, transformado em 'bunker' desde quinta-feira, quando Lula recebeu a ordem de prisão de determinada pelo juiz federal Sérgio Moro.A prisão de Lula em imagens: choro e raiva de um lado, fogos e panelas de outro

 

Dilma fará palestras no exterior para denunciar ‘perseguição a Lula’

Ex-presidente iniciará rodada de eventos na próxima segunda-feira (9)

Dilma fará palestras no exterior para denunciar 'perseguição a Lula'

Apresidente cassada Dilma Rousseff vai ministrar uma série de palestras em universidades e instituições acadêmicas da Europa e Estados Unidos a partir desta segunda-feira, 9.

Ela foi convidada a falar sobre o processo do impeachment de 2016. Segundo sua assessoria, a petista vai “denunciar a perseguição ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”.

Mais cedo, em nota, a presidente cassada afirmou que Lula é “um preso político, vítima de uma perseguição implacável de adversários, que lançam mão do ‘lawfare’ para calá-lo e destruí-lo, no esforço de desqualificar seu papel perante a história e o povo brasileiro”.

Na Espanha, Dilma vai fazer conferências na Casa de América em Madri, na terça-feira, 10, e no Colégio de Advogados, em Barcelona, na quinta-feira, 12. Lá, ela deve receber uma investidura de honra e Medalha do Centenário da Real Academia Europeia de Doutores.

Nos Estados Unidos, a ex-presidente vai discursar em universidades da Califórnia. Dilma vai passar por Berkeley, no dia 16, por Stanford, no dia 17, e pela Universidade Estadual de San Diego, no dia 18.

Fonte: Notícias ao Minuto

Mais de 50 cidades têm a favor do ex-presidente Lula

 Resultado de imagem para lula

Já pela manhã, mais de 50 rodovias foram fechadas em atos do MST

Mais de 50 cidades têm atos a favor do ex-presidente Lula

Em mais de 50 cidades de todas as regiões do Brasil, centrais sindicais, movimentos sociais, estudantes e apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva promoveram manifestações hoje (6) contra a ordem de prisão dele, decretada pelo juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, de acordo Moro deu a Lula o prazo até as 17h de hoje para o político se entregar.

Já pela manhã, mais de 50 rodovias foram fechadas em atos promovidos principalmente pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Na Paraíba, uma jovem foi baleada na perna por uma pessoa que furou o bloqueio em uma das estradas.

Nas capitais, a Frente Brasil Popular (que reúne entidades como a CUT, o MST e a UNE e o PT) e a Frente Povo sem Medo (formada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto e por diversas outras organizações) promoveram vigílias, atos e trancamentos de vias urbanas.

Nas manifestações, os ativistas criticaram a condenação de Lula e questionaram o juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso na 1ª instância e pelo pedido de prisão do ex-presidente, bem como outros membros de cortes onde o processo foi analisado, como o Supremo Tribunal Federal. A casa da presidente da Corte, ministra Carmen Lúcia, em Belo Horizonte, foi pichada e recebeu bombas de tintas.

Sindicato dos Metalúrgicos

O maior ato ocorre na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, para onde Lula se dirigiu após a ordem de prisão e onde passou o dia, em negociação com a Polícia Federal sobre sua apresentação. Além da vigília na sede do sindicato, ocorreram atividades na capital, São Paulo, e em Campinas.

No Rio, milhares de pessoas ocuparam a praça junto à Igreja da Candelária. Com o apoio de um carro de som, os militantes discursaram contra a ordem de prisão contra Lula. Militantes se revezaram ao microfone defendendo a liberdade para o ex-presidente. Após a concentração, os manifestantes seguiram em passeata pela Avenida Rio Branco rumo à Cinelândia, onde foi programado um grande ato político. A maior parte do comércio permaneceu aberta e o policiamento ostensivo praticamente não foi visto, com exceção de uma ou outra viatura da PM em algumas esquinas.

Em Minas Gerais, mais de dez cidades tiveram atos a favor de Lula, como Juiz de Fora, Governador Valadares, Viçosa, Uberlândia e Ouro Preto. Na capital, Belo Horizonte, houve manifestação na BR-381, na região metropolitana de Belo Horizonte. No Espírito Santo, um trecho da BR 101 foi bloqueado.

Norte e Nordeste

A Região Nordeste concentrou o maior número de protestos. Na Bahia, foram interditados 11 trechos das BRs 330, 101, 116, 235 e 001, além das estradas BAs 290 e 367. Em Salvador, cinco avenidas foram fechadas, incluindo o acesso ao aeroporto e a via da região da rodoviária, conhecida como Iguatemi. Também houve atividades em Feira de Santana e em Vitória da Conquista.

No Ceará, movimentos promoveram manifestações nas cidades de Caucaia, Cariri, Iguatu, Maracanaú e Tamboril. Na capital Fortaleza, estudantes fecharam a Avenida da Universidade e movimentos sociais se manifestaram na Praça da Gentilândia.

Na Paraíba, ocorreu bloqueio no acesso da BR-230, entre João Pessoa e Campina Grande, na Paraíba. Uma militante foi baleada. Na capital, o ato ocorreu no Liceu Paraibano. Em Alagoas, as contenções pararam as BRs 316, 101 e 104. Em Sergipe, houve bloqueio na BR 235 e na SE 270. Ativistas fecharam uma ponte na cidade de Propriá. Na capital, Aracaju, houve um ato na Praça General Valadão.

Em Pernambuco, manifestantes fecharam a Avenida Dantas Barreto, no Recife. No Rio Grande do Norte, ativistas se reuniram em Natal em frente ao shopping Midway Mall. No Piauí, houve ato no Parque da Cidadania, em Teresina. Manifestantes trancaram a BR 316, que liga a capital ao sul do estado.

Norte, Sul e Centro-Oeste

No Paraná, militantes do MST trancaram as rodovias BR-158, BR-277, PR-476, PR-170. Em Curitiba, o ato ocorreu na Praça Santos Andrade.

Na capital paranaense, um grupo também protestou a favor da prisão do ex-presidente em frente à sede da Polícia Federal.

Em Londrina, a manifestação de apoio a Lula foi marcada para a sede do Sindicato dos professores da rede pública (APP). No Rio Grande do Sul, as manifestações foram organizadas na capital, Porto Alegre, e na cidade de Bagé.

Em Brasília, defensores do ex-presidente se concentraram na Praça Zumbi dos Palmares, próximo ao terminal rodoviário do centro da cidade. Em Goiás, a manifestação foi chamada para a Praça do Bandeirante, no cruzamento das duas avenidas mais importantes da cidade. Em Mato Grosso, a BR 364 foi bloqueada. Em Cuiabá, ativistas ocuparam a Praça Alencastro, em frente à prefeitura.

Já a Região Norte teve incidência menor de atividades em defesa de Lula. A exceção, foi o Pará. Na capital, Belém, a mobilização tomou conta do Mercado São Brás. Atividades semelhantes foram organizadas nas cidades de Santarém, Cametá, Santa Luzia, Marabá e Altamira. Em Rondônia, atividades também foram organizadas na capital, Porto Velho, e nas cidades de Jaru e Candeias do Jamary. Em Palmas, o ato teve como palco o Memorial Coluna Prestes. Com informações da Agência Brasil.

Fonte: Notícias ao Minuto

 

Lula segue na frente nas pesquisas de opinião

02/03/2018

Pesquisa: 54% da população defende que Lula possa se candidatar

37% acredita que ex-presidente deveria ser impedido e 9% não sabe ou não quis opinar

Pesquisa: 54% da população defende que Lula possa se candidatar

Pesquisa do instituto Vox Populi encomendada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e divulgada nesta sexta-feira (2) aponta que a maior parte dos brasileiros defende a participação de Lula nas eleições presidenciais.

O levantamento foi realizado entre 24 e 26 de fevereiro e a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais. Ele foi publicado pela CartaCapital.

54% da população defende que o petista tenha o direito de participar do pleito, enquanto 37% acredita que Lula deveria ser impedido e 9% não sabe ou não quis opinar.

Com condenação confirmada em segunda instância pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), o ex-presidente pode ser impedido de participar da corrida presidencial pela Lei de Ficha Limpa. O PT, todavia, afirma que Lula será candidato e não há “plano b”.

Além disso, 49% dos entrevistados acredita que Lula não deveria ser preso, enquanto 36% defende sua detenção e 16% não sabe ou não quis opinar.

Fonte: Notícias ao Minuto

Dano moral no Brasil

26/02/2018

Danos morais: confira as 20 causas que mais geram indenizações no país

Atrasos de voos e malas extraviadas estão entre as causas mais comuns entre ações de daos morais
Atrasos de voos e malas extraviadas estão entre as causas mais comuns entre ações de daos morais Foto: Onofre Veras / Photo Premium / Agência O Globo / Agência O Globo

Fazer uma viagem demanda planejamento: são passagens aéreas, reservas de hotel e a expectativa para o grande dia. Mas, às vezes, nem tudo sai como planejado e o sonho vira um pesadelo: o voo atrasa, é cancelado ou há overbooking — palavra do inglês usada pelas empresas aéreas para explicar que houve mais vendas de passagens do que a quantidade de assentos disponíveis na aeronave.

A condenação por overbooking segue uma jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça e está entre as causas mais comuns de processos por danos morais. Além disso, clonagem de cartão de crédito ou obtenção de senha de forma fraudulenta, protesto indevido, recusa em cobrir tratamento médico hospitalar e ficar sem energia elétrica por tempo excessivo, também estão no ranking.

Estes são alguns exemplos de situações que podem gerar indenização por dano moral ao consumidor — situação em que a Justiça julga necessário reparar financeiramente quem foi lesado de alguma forma em alguma relação de consumo ou em acidentes.

— O dano moral é tudo aquilo que venha a causar danos psicológicos na vítima, causando transtornos, mágoa, humilhação ou vergonha, ou seja, qualquer tipo de sentimento que possa trazer abalo físico mental e material. É uma questão subjetiva e nem todo ato ilícito pode ocasionar dano moral, por isso deve ser julgado com cautela — destaca a advogada especialista em direito do consumidor Imaculada Gordiano.

Estudante ganha ação contra companhia aérea

O sonho de conhecer os Estados Unidos se realizou para a estudante Manuela Côrrea, de 21 anos. Em 2014, após se formar, ela decidiu viajar, com mais 12 amigos, para Nova York. A alegria não durou tanto. Na hora de voltar para o Brasil, a viagem terminou com transtornos.

Manuela Rodrigues Corrêa ganhou causa contra companhia aérea
Manuela Rodrigues Corrêa ganhou causa contra companhia aérea Foto: Guilherme Pinto / Agência O Globo

A companhia aérea estrangeira teve longo atraso no voo que traria de volta o grupo, o que gerou muita dor de cabeça. Com necessidade de retorno imediato, Manuela e os amigos embarcaram para Atlanta, onde fica a sede da empresa. O problema é que, quando chegaram lá, o voo para o Brasil tinha acabado de decolar, o que obrigou a estudante e os amigos a dormirem no aeroporto. Sem conseguir realocação, eles tiveram ainda dificuldade para achar hotel na cidade e não contaram com o apoio da companhia aérea, transtonos que foram parar na Justiça no ano passado.

— Resolvi entrar com ação porque passei por muitos problemas, com meus amigos. Depois de passar uma noite no aeroporto, ao todo ficamos cinco dias esperando para embarcar. Um absurdo. Na Justiça consegui um acordo com a companhia baseado no príncipio do dano moral.

Crise econômica não dá trégua em 2018

25/02/2018

Desemprego assola o Rio de Janeiro

Em apenas três anos, índice subiu 157%, segundo pesquisa do IBGE

O Rio de Janeiro é um dos estados mais afetado pelo desemprego – que atinge mais de 12 milhões de pessoas, segundo dados do Caged -, aponta a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) trimestral divulgada ontem pelo IBGE. De acordo com o levantamento, de 2014 a 2017, o desemprego no estado subiu 157%, passando de 494 mil em 2014, para 1,2 milhão de desempregados em 2017.

O aumento percentual só foi maior em Santa Catarina (170,2%). Mas, mesmo com esse salto, o estado registrou a menor taxa de desemprego no país em 2017 (7,1%). A taxa do Rio é mais que o dobro (14,9%).

Falta emprego

Outro dado divulgado pelo IBGE foi a falta de trabalho para cerca de 26,4 milhões de brasileiros no quarto trimestre de 2017. Esse número representa os trabalhadores subutilizados no país, grupo que reúne pessoas que poderiam trabalhar, mas estão desocupadas, e aqueles que trabalham menos de 40 horas semanais.

Um ponto destacado pela pesquisa é o total de pessoas em desalento, que desistiram de procurar emprego no Brasil. Esse número bateu recorde no último trimestre de 2017, indicando que o mercado de trabalho tem reagido de forma muito tímida à recuperação da atividade econômica após dois anos de recessão.

Segundo a pesquisa, 4,352 milhões de pessoas deixaram de ir atrás de emprego no final do ano passado, ou 3,9% da força de trabalho em desalento, praticamente o dobro da fatia vista em 2012, início da pesquisa do IBGE, de 1,9%.

“A causa disso pode ser o ambiente econômico, que coloca muita gente na rua desempregada e desestimula à procura por emprego”, afirmou Azeredo.

Segundo o IBGE, o perfil dos desalentados no Brasil incluem pretos e pardos, jovens e pessoas no ensino fundamental e em locais menos favorecidos ou menos desenvolvidos do país.

Fonte: O Dia

Violência na Síria não dá trégua

22/02/2018

Síria: “Estamos assistindo ao massacre do século 21”

O governo sírio continua a ordenar bombardeamentos na região de Ghouta Oriental, considerado o último bastião das forças rebeldes perto de Damasco

Aguerra civil na Síria parece não ter fim. Do país dizimado, continuam a chegar imagens chocantes que retratam destruição de cidades, mas principalmente o desespero e sofrimentos do povo, vítima de um conflito entre o governo e o exército sírio e as forças rebeldes.

Desde domingo, a Força Aérea tem bombardeado a região de Ghouta Oriental, último bastião dos rebeldes perto da capital, Damasco. Na área, vivem cerca de 400 mil pessoas e o governo não tem poupado nem hospitais.

De acordo com os números mais recentes divulgados pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos, 250 pessoas teriam morrido, incluindo cerca de 60 crianças. Estima-se que este bombardeios tenham feito 1.200 feridos.

Segundo a CNN, o Observatório garante que este é o massacre mais mortal sofrido pelo povo sírio, desde o ataque químico de 2013, que também teve como alvo a região de Ghouta Oriental e que provocou cerca de 1.400 vítimas.

“Estamos assistindo ao massacre do século 21”, opinou um dos médicos de Ghouta Oriental ao The Guardian – comparando a situação atual ao massacre de Srebrenica, na Bósnia, considerado por muitos como o maior da década de 90.

A ONU já pediu o fim dos bombardeios. O secretário-geral, António Guterres, mostrou-se “profundamente alarmado pela escalada da situação em Ghout Oriental e pelo seu devastador impacto nos civis”. No entanto, para os civis que vivem nesta região o pesadelo está longe de acabar. O exército sírio, que tem contado com o apoio da aviação russa, vai manter o cerco à região e deve avançar – em breve – com uma invasão terrestre.

Fonte: G1

Depois da crise financeira, RIO atolado na violência está sob intervenção federal

13/02/2018

Milicianos que dominam a localidade Jesuítas, em Santa Cruz, na Zona Oeste, estão expulsando moradores do condomínio Aterrado do Leme 2, do programa federal “Minha Casa, Minha Vida”, e distribuindo os apartamentos a comparsas. Há duas semanas, uma família que morava no conjunto há três anos denunciou à Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) que foi expulsa por homens armados em agosto do ano passado.

O casal e seus dois filhos — o mais novo sequer completou um ano — estão morando na casa de parentes e desejam entrar com um pedido na prefeitura para serem realocados em outro imóvel. Eles contaram à polícia que precisaram deixar o apartamento por alguns meses, no fim de 2016, por causa do tratamento médico de um dos filhos. Quando voltaram, encontraram o imóvel ocupado por outra família. Eles questionaram os novos moradores e perceberam a movimentação de homens armados no estacionamento.

Um destes homens perguntou ao casal o que estava acontecendo. Após ouvir a explicação, ele afirmou que, antes de a família poder reocupar o imóvel, a que estava morando ali precisaria ser alocada. Quando o casal disse que o apartamento era deles, ouviu do interlocutor que os novos moradores estavam ali por ordem do “Quartel General”. E explicou: ele se referia à Favela do Aço, em Paciência, onde se escondem os chefes da maior milícia do Rio.

Segundo a Draco, quem controla a região é Danilo Dias Lima. Ele foi nomeado por Toni Ângelo, chefão da milícia, que está preso. Com a captura de outros líderes do grupo, Danilo ganhou prestígio. Atualmente, expandiu seu domínios para a Baixada Fluminense.

Mais cinco unidades invadidas

A família foi informada por outros moradores que pelo menos outros cinco apartamentos que estavam vazios foram invadidos e ocupados por comparsas de milicianos que dominam a região. Após esse dia, em agosto do ano passado, a família nunca mais voltou ao conjunto.

O casal também contou aos policiais que, antes de eles serem expulsos, a milícia já havia estabelecido uma taxa de R$ 40 por apartamento para a instalação de ‘‘gatonet’’. Os paramilitares também lucram com uma mesada cobrada de cada pessoa que deseje explorar qualquer atividade comercial dentro do condomínio, como bares, mercearias e lojas que fazem parte do projeto original do conjunto habitacional.

O Aterrado do Leme 2 já foi alvo de uma investigação da Draco. Em janeiro do ano passado, agentes da especializada prenderam o então síndico do condomínio. De acordo com a Draco, a partir do momento em que Alexsandro Morais da Silva, o Cabeludo, assumiu a gestão do conjunto, em 2015, ele impôs aos moradores o pagamento de taxas estabelecidas pelos milicianos.

Antes da prisão, o EXTRA já havia revelado, na série de reportagens “Minha casa, minha sina”, no início de 2015, que milicianos expulsavam moradores que fumavam maconha dentro deste mesmo condomínio de Santa Cruz.

Série de reportagens denunciou expulsões

Em março de 2015, o EXTRA revelou, durante  a Série “Minha Casa, Minha Sina”, que todos os condomínios do “Minha Casa, Minha Vida” destinados aos beneficiários mais pobres — a faixa 1 de financiamento — no município do Rio eram alvo da ação de grupos criminosos. Na ocasião, as reportagens revelaram que 18.834 famílias estavam submetidas a expulsões, reuniões de condomínio feitas por bandidos, bocas de fumo em apartamentos, espancamentos e homicídios.

Após a publicação da série, o governo federal mudou a lei que rege o programa, possibilitando que moradores expulsos por criminosos possam receber novos imóveis.

Fonte: Extra

LULA SEGUE LIDERANDO PESQUISAS PARA PRESIDENTE DA REPÚBLICA

02/02/2018

Datafolha: Lula lidera pesquisa e Manuela pontua em todos os cenários

 

Foto: Rodrigo Positivo

 

A pesquisa Datafolha, feita nos dias 29 e 30 de janeiro, ouvindo 2.826 pessoas em 174 municípios, mostra que o julgamento de Lula pelo TRF-4 não afetou sua liderança na corrida presidencial. Ele se mantém à frente da disputa, tendo entre 34% e 37% no primeiro turno, e ganharia de todos os candidatos no segundo turno. Devido à condenação, Lula pode ficar fora da disputa, mas ainda assim teria influência na campanha, já que 27% dos eleitores se dispõem a votar numa candidatura apoiada por ele.

Na opinião do deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), a pesquisa demonstra que retirar Lula da disputa é uma irresponsabilidade com a democracia. Para Orlando, “a falsa condenação não mexeu um milímetro na imagem do ex-presidente. Alijar mais de um terço dos eleitores é um golpe e uma violência inomináveis”.

O deputado do PCdoB também comentou o desempenho dos candidatos da direita. Segundo Orlando, “a direita tem um pepino nas mãos: não calhou o discurso de transformar em ‘centro’ velhos nomes da direita neoliberal. Alckmin, Meirelles, Doria não emplacam. Huck tampouco é o ‘fenômeno’ que dizem – aliás, surpreende sua rejeição”. Orlando finaliza dizendo que aguarda o próximo balão de ensaio dos setores conservadores.

Manuela se afirma

A pré-candidata do PCdoB, deputada estadual Manuela D’Ávila (RS), vai se firmando numa parcela do eleitorado e é citada em todos os cenários pesquisados, variando de 1% a 3%, e com a menor taxa de rejeição, apenas 13%. A deputada chega a superar nomes de grande projeção e cotados para disputar com apoio do governo, como o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, e o ministro da Fazenda Henrique Meirelles, além do próprio Michel Temer, que não descarta totalmente a possibilidade tentar a reeleição.

O deputado Orlando Silva também destacou a presença de Manuela em todos os cenários e sua baixa rejeição. “Aparece melhor que candidatos abanados pela mídia”, afirmou. Para ele, “Manuela tem tudo para crescer e ocupar espaço com programa progressista”.

Em sua página do Facebook, Manuela se mostra empolgada com a pesquisa e afirma que “mesmo sendo pré-candidata há apenas dois meses e com baixa exposição, pontuo em todos os cenários! E melhor: somos a pré-candidatura com a menor rejeição de todas!”. A parlamentar fez ainda um chamado a seus apoiadores para que ajudem a espalhar a mensagem de sua pré-candidatura nas redes sociais – FacebookTwitter, Instagram. “Nos ajudem compartilhando, conversando em casa e no trabalho, convidando amigas e amigos para curtirem a página, marcando aquela pessoa que vai gostar de nossas ideias nos comentários”, afirmou.

Veja abaixo o desempenho de cada nome indicado na pesquisa:

 

Autor da Lei da Ficha Limpa, Flávio Dino diz que lei pode ajudar Lula

 

 

 

Segundo Flávio, que foi autor da lei quando era deputado federal, em 2010, ele e o então deputado José Eduardo Cardozo, relator da proposta, incluíram um trecho que funciona como uma brecha e agora poderá ser usado por Lula. A lei prevê que o condenado possa apresentar recurso junto ao STF ou STJ, pedindo a suspensão da inelegibilidade “sempre que existir plausibilidade da pretensão recursal”.

“Não tem contradição. Acho que a Lei da Ficha Lima protege o presidente Lula. Colocamos uma cláusula de escape em caso de perseguição. Não há um paradoxo, porque a lei bem aplicada garante o direito do presidente Lula, o direito de concorrer”, destacou Flávio Dino.

Para o governador, o TRF-4 condenou Lula em um “julgamento claramente politizado”.

“As penas aplicadas foram casuísticas, apenas para evitar a prescrição. Foi uma aberração como se deu a fixação da pena. Foi um julgamento extremamente, claramente politizado, no pior sentido da palavra, de que não ocorreu com o melhor da técnica jurídica”, afirmou o governador, que tem formação em Direito. “Qualquer especialista sabe que tem um sem número de impropriedades.”

O governador do Maranhão criticou a chamada “dosimetria da pena”, afirmando que sem o aumento haveria a prescrição dos crimes imputados a Lula, devido à idade. O governador acredita que o recurso é plausível por haver “aberrações” na decisão.

“As penas aplicadas foram casuísticas, apenas para evitar a prescrição. Foi uma aberração como se deu a fixação da pena”, afirmou.

O governador comunista disse ainda que o julgamento foi uma forma de corroborar as decisões do juiz Sergio Moro, que condenou Lula em primeira instância. “O propósito do TRF foi de apoiar o Moro, foi muito mais um julgamento do Moro, para dizer que a Justiça Federal é isenta”, ressaltou Dino.

 

Do Portal Vermelho

Bitcoin e criptomoeda são uma furada?

02/02/2018

Salve-se das criptomoedas enquanto é tempo

 

 

A quem aplicou em bitcoins, sugiro o seguinte roteiro:

1.Venda o mais depressa possível.
2.Anote o nome da instituição financeira ou do analista que o aconselhou.
3.Nunca mais passe perto da porta ou do site da instituição que o colocou nesta fria.
4.Encaminhe sua denúncia para o Procon ou para o Ministério Público Federal, por se tratar de crime contra a economia popular.

Vamos a um pergunta-resposta para tornar a explicação mais didática.

A diferença entre blockchain e a criptomoeda

O grande engodo espalhado pelos especuladores é o seguinte:

1. O blockchain é um sistema que permite a acumulação descentralizada de moedas, com uma série de chaves de segurança. Hoje em dia, todas as compras são pagas ou com dinheiro vivo (porcentagem mínima) ou com transferências bancárias (a quase totalidade). Para pagar a conta de luz, eu preciso fazer um depósito em um banco e, depois, a transferência do recurso para a conta da distribuidora de luz. Com o blockchian, meu saldo fica guardado em criptomoeda no meu computador, ou celular. E simplesmente transfiro o pagamento para a distribuidora, sem passar pelo banco. Muitos consideram que será o futuro do sistema de pagamentos. Sobre isso, falarei mais abaixo.

2. Há várias criptomoedas que surgiram recentemente, usando esse conceito.

São duas coisas diferentes: o sistema blockchain e as criptomoedas.

Quando eu compro um bitcoin, não estou adquirindo ações do sistema blockchain. Estou apenas comprando a criptomoeda bitcoin. E existem mais de cem tipos de criptomoedas circulando no mundo.

Por que o bitcoin é bolha?

Porque sua valorização depende exclusivamente de haver investidores dispostos a pagar mais do que os investidores que os antecederam. As pessoas não têm bitcoins para comprar coisas, investir em bens, mas para enriquecer. E só ganham se na outra ponta houver investidor disposto a pagar mais. Ou seja, se vender os bitcoins por um preço mais alto do que pagou e pular fora, resgatando o dinheiro.

O processo de criação de bolhas de ativos é simples.

No começo, é barato. Digamos que o bem custe 1.
Se pular para 2, haverá um ganho de 100%.
Se pular para 3, aumento de 200%.
Quando chega, digamos, em 100, quem adquirir e vender por 101 terá um ganho de apenas 1%. Ou seja, cada 1 ponto a mais no preço significará 1% apenas de ganho.
Quando o valor chega a 1.000, qualquer ganho de 1 ponto no valor do bitcoin será irrelevante.


Vamos inverter a conta: quantos pontos a mais precisaria ter o bitcoin para sustentar uma rentabilidade de 30%?

Quando está em 1, basta aumentar 0,30 para o primeiro comprador ganhar 30%.

Quando chega em 1.000, para ganhar 30% o comprador terá que revender o contrato por 300 pontos a mais. Ou seja, quanto mais caro o valor do contrato, maior terá que ser seu ganho para continuar garantindo o mesmo lucro para o investidor. Assim, nem o céu será limite.

Ora, o que atrai novos investidores são as notícias sobre a rentabilidade, os ganhos decorrentes da variação do preço de um momento para outro. Quando não houver mais ganhos, de que maneira novos investidores poderão ser atraídos.

Evidentemente vai chegar uma hora e não irá se encontrar nenhuma leva de novos investidores dispostos a pagar mais pelos bitcoins. Aí, o mundo desaba.

O estouro da bolha

O sujeito compra a moeda valendo, digamos, 1.000.

De repente, a moeda cai para 980. Mais alguns dias, para 970.

A tendência é dar início a uma corrida dos investidores para se desfazerem do investimento, antes que caia mais. Aí a queda se acentua. É o que explica perdas de valor de 20% a 50% em um dia. Esse fenômeno ocorreu em todos os casos de bolha conhecidos da história, desde as bolhas do Mississipi no início do século 18, até a bolha do dotcom, do mercado de tecnologia, no início dos anos 2.000.

As criptomoedas não possuem lastro

Significa que você não poderá trocá-la por produtos. Diz-se que o dólar tem lastro porque a qualquer momento você poderá adquirir bens e serviços com o dólar. Um contrato de soja tem lastro porque com ele você adquire soja.

Não acontece o mesmo com as criptomoedas. O fato de um ou outro empresário aceitar pagamentos em criptomoeda não tem o menor significado. É só comparar a quantidade de produtos que ele oferece com a quantidade de criptomoedas existentes. É o mesmo que tentar esvaziar uma praia tirando areia com baldinho.

Portanto, você só conseguirá se desfazer de sua criptomoeda se houver outro investidor interessado em adquiri-la.

O mercado chama a esses processos de esvaziamento das bolhas de jogo do mico preto. Quando não houver mais nenhum interessado, o último que ficar com o mico, morre com ele.

Os sofismas para manter o jogo

Há toda uma retórica dos especuladores, para enganar os trouxas.

Sofisma 1 – os grandes bancos estão começando a adotar criptomoedas
Os especuladores fazem um baita carnaval alardeando que grandes bancos, como a Goldman Sachs, Santander, Bradesco etc. estariam pensando em adotar criptomoedas. E aí o valor do bitcoin explode.

Ora, nada tem a ver uma coisa com a outra. A Goldmam Sachs adotar a criptomoeda, significa que ela terá um sistema dela, para girar exclusivamente os recursos de seus investidores, facilitando a troca de posições entre eles. Ela jamais irá adotar o bitcoin como moeda. Portanto, o fato de bancos adotarem criptomoedas significa que terão a sua própria moeda para trabalhar os recursos dos seus clientes. E qual o lastro dessas moedas? Os depósitos em dólares, yens, francos suíços, reais depositados pelos investidores.

Sofisma 2 –criptomoedas não sofrem inflação, porque têm limites de emissão
É uma idiotice total. O que é a inflação? É a perda de valor de uma moeda em relação a uma cesta de produtos. Os produtos aumentam de preço naquela moeda, consegue-se comprar menos produtos com o mesmo valor. E essa perda de valor é chamada de inflação.

Se o bitcoin perde 20% do valor em um dia (em relação à moeda com que ele foi adquirido), significa que sua “inflação” foi de 20%.

A diferença maior é que as inflações nacionais dependem de um enorme conjunto de fatores: oferta e procura de bens, aspectos climáticos, aspectos cambiais. E tem um Banco Central responsável pela moeda. Já as criptomoedas dependem exclusivamente da maior ou menor procura por elas. Quando pararem de se valorizar, a única consequência será perder valor, porque nenhum investidor vai adquirir bitcoin se não for com a expectativa de ganhar com sua valorização. E não haverá uma autoridade responsável para impedir o crack.

Sofisma 3 – cada vez mais as transações serão em criptomoedas
Conversa!

A característica básica do produtor de bens é fugir da volatilidade de preços. Se o sujeito fabrica um trator por 10.000, não lhe interessa colocar o trator em um leilão, no qual o preço poderá saltar para 20.000 ou cair para 5.000. É contra o espírito do fabricante.

É porque isso que nos mercados futuros, há a figura do empresário cauteloso e do especulador. O empresário faz um contrato de doze meses de, digamos US$ 10 milhões mensais, com o dólar a R$ 3,00. Nesse período, o valor do dólar poderá cair ou aumentar em relação ao real. Mas o seu custo é todo em real. Se o valor do dólar cair, ele ganha. Mas se o dólar subir, ficar mais caro, ele quebra. Por isso ele vai ao mercado e compra um contrato futuro de dólar a, digamos, R$ 3,00. Na outra ponta, quem vende é o especulador, dispostos a correr riscos com a variação do dólar. Ou seja, nos mais especulativos mercados, como os de derivativos, os empresários da economia real não especulam: eles usam para transferir o risco para os especuladores.

Adquirir bitcoins, ou fechar contratos em bitcoins, significa assumir todos os riscos da variação da moeda. Uma moeda com tal grau de volatilidade jamais servirá como meio de troca na economia real.

Ai vem os defensores do bitcoin e dizem que ele é muito mais seguro, porque não depende dos riscos dos países. Ora, o que você prefere: um risco em dólar, yen ou em uma moeda cujo valor depende dos movimentos de compra e venda dos especuladores? Se compro a 200 e só encontro quem se dispõe a pagar 100 por ele, estou incorrendo no mesmo risco.

Os sinais do fim da bolha

Bastou uma ação reguladora na Ásia, para os valores das criptomoedas caírem 50% em relação ao pico de dezembro. Não houve um colapso maior, por conta de um amplo esquema de manipulação para sustentar seu preço. Mas isso não vai durar para sempre.

Nouriel Roubini, o economista que previu o estouro do subprime em 2008, alerta:

“Após uma repressão por reguladores asiáticos este mês, os valores de cryptocurrency caíram 50% em relação ao seu pico de dezembro. Eles teriam entrado em colapso maior, não fosse um vasto esquema para sustentar seu preço por meio de manipulação definitiva, não foi implementado rapidamente. Como no caso da bolha sub-prime, a maioria dos reguladores dos EUA ainda estão dormindo no volante”.

As mudanças tecnológicas financeiras que pegaram

Em seu artigo no Project Syndicate, Nouriel Roubini faz um bom balanço das inovações no mercado financeiro e do futuro dos blockchains.

“Há dezenas de serviços de pagamento on-line – PayPal, Alipay, WeChat Pay, Venmo, e assim por diante – com centenas de milhões de usuários diários. E as instituições financeiras estão tomando decisões de empréstimo precisas em segundos, em vez de semanas, graças a uma grande quantidade de dados on-line sobre indivíduos e empresas. Com o tempo, tais melhorias orientadas por dados na alocação de crédito poderiam até mesmo eliminar movimentos cíclicos impulsionados pelo crédito.

Da mesma forma, a subscrição de seguros, a avaliação e gestão de sinistros e o monitoramento de fraudes tornaram-se cada vez mais rápidos e precisos. E as carteiras gerenciadas ativamente são cada vez mais substituídas por robôs-conselheiros passivos, que podem desempenhar tão bem ou melhor do que conselheiros financeiros.

Agora, compare esta revolução fintech real e contínua com o registro de blockchain, que existe há quase uma década e ainda possui apenas uma aplicação: as criptomoedas. Os impulsionadores da Blockchain argumentariam que seus primeiros dias se assemelham aos primeiros dias da Internet, antes de ter aplicações comerciais. Mas essa comparação é simplesmente falsa. Considerando que a Internet rapidamente deu origem a e-mail, World Wide Web e milhões de empreendimentos comerciais viáveis utilizados por bilhões de pessoas, criptografia como Bitcoin nem sequer cumprem seus próprios objetivos declarados.

Quanto à tecnologia de cadeia de blocos subjacente, ainda existem obstáculos enormes no seu caminho, mesmo que tenha mais potencial do que criptografia. O principal deles é que ele não possui o tipo de protocolos básicos comuns e universais que tornaram a Internet universalmente acessível (TCP-IP, HTML e assim por diante). Mais fundamentalmente, sua promessa de transações descentralizadas sem autoridade intermediária equivale a um fluxo de água não testado, utópico”.

Há uma boa discussão sobre as criptomoedas e a intermediação bancária e a política monetária.

Fonte: Portal Vermelho

Juízes no Brasil

02/02/2018

Juízes sem moral

Jaime Sautchuk *

Tenho vários amigos em postos bem situados do Judiciário, entre os quais juízes e promotores. Eles próprios concordam, porém, em que a Justiça e o Ministério Público da Pindorama estão salpicados de carreiristas interesseiros, “gente que não presta”, no dizer popular. Muito diferentes do que se espera de quem usa a respeitável toga.

Aqueles com os quais eu tenho conversado volta e meia ficam envergonhados com o rumo dos acontecimentos. A começar pelo protecionismo ou excesso de corporativismo reinante nos meios jurídicos, com a inoperância de órgãos de controle, como o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que deixam o barco correr solto.

Parece não existir leis que atinjam magistrados, nem crimes dos quais possam ser imputados. São imunes os ilustres senhores. E, no momento histórico em que vivemos, as entidades que representam essa gente parecem dispostas a brigar apenas por mais dinheiro, o vil metal, nas contas bancárias de seus representados.

É bem verdade que há exemplos destoantes. É o caso de Flávio Dino, atual governador do Maranhão, que foi presidente da Associação Nacional de Juízes Federais (Ajufe). Foi, também, por um mandato de dois anos, secretário-geral do CNJ, órgão responsável pela disciplina, que inclui punição por erros e abusos, em todas as instâncias do Poder Judiciário. Mas eram outros tempos.

Uma decisão do CNJ foi jogada no lixo dia desses, quando o juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro, entrou com processo (e ganhou) pra receber dois auxílios-moradia. Ele alega que sua mulher, também juíza, tem direito igual, embora habite o mesmo teto. Segundo ele, o CNJ, que impedia essa aberração, não tem razão. E ficou por isso mesmo.

Esse adicional foi criado pra mitigar despesas extras de magistrados removidos a locais distantes de suas bases, o que seria até aceitável, digamos. Mas, agora é pago a todos os juízes, sendo apenas mais um item dos supersalários da categoria.

Mais grave, entretanto, é que Bretas não está sozinho nessa tão nobre causa. A Ajuferjes (Associação dos Juízes Federais do Rio de Janeiro e Espírito Santo) saiu em sua defesa, com nota pública em que alega haver “uma campanha para desmoralizar e denegrir a honra dos juízes federais”. Pois é.

A equidistância política, outro predicado da função do julgador, passa longe dos luxuosos prédios da Justiça. O caso mais notório é o do juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em Curitiba, que participou de forma ativa, militante, da campanha do tucano João Dória à prefeitura de São Paulo nas últimas eleições, a ponto de influir grandemente no resultado das urnas.

Na ocasião, a popularidade de Moro estava nas alturas e ele foi mais de uma vez à capital paulista visitar o amigo correligionário. As fotos dos encontros foram amplamente difundidas pelos marqueteiros de Dória, o que foi apontado por institutos de pesquisa como fator decisivo na sua eleição ainda em primeiro turno.

Isso, por si só, já explica a partidarização das decisões de Moro como juiz, fato que chama atenção dos meios jurídicos do mundo inteiro.

Vale lembrar, ainda, que o Ministério Público foi criado pra ser uma instância do povo no Judiciário. Um local onde o cidadão comum teria alguém que o ouvisse e defendesse, onde ele poderia entrar de chapéu de palha e sandálias havaianas. Hoje, contudo, o MP virou um ramo a mais da justiça, elitista, falando a mesma língua e ocupando prédios igualmente luxuosos, com as mesmas regalias.

Enfim, esses membros de tribunais encontram Lógica onde não há o mínimo de Ética, dois ramos da Filosofia que devem constar do currículo dos cursos de Direito que proliferam no país. E nortear a conduta dos seres humanos nos meios sociais em que vivem, em especial daqueles de quem se esperaria valores morais exemplares.

* Trabalhou nos principais órgãos da imprensa, Estado de SP, Globo, Folha de S.Paulo e Veja. E na imprensa de resistência, Opinião e Movimento. Atuou na BBC de Londres, dirigiu duas emissoras da RBS.

Fonte: Portal Vermelho

« Próximas
Rádio Anjos de Luz

Com agradecimento à Fada San. Visite www.anjodeluz.net

Meu perfil
Perfil de usuário Terra 2012 .
Receba newsletters

Seu e-mail

Leitores do Terra 2012 pelo mundo
free counters
Escreva para a grande fraternidade branca

Grande Fraternidade Branca
Com agradecimento ao Espaço Hankarra. Visite hankarralynda.blogspot.com

Prezado Leitor, se você é uma pessoa solitária, quer desabafar ou deseja uma opinião fraterna e desinteressada sobre algum problema que o aflige, escreva-nos carta para o endereço informado no rodapé do site, ou, se preferir, mande e-mail para grandefraternidadebranca
@terra2012.com.br
.

Todas as correspondências serão respondidas no menor prazo possível.

arvore

Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE!

Gato no notebook

DÚVIDAS? Fale com o Administrador gtm@terra2012.com.br

Acessar Webmail Terra 2012