PERGUNTE AOS MESTRES

2 de Outubro de 2012

 

 

As três perguntas que os Mestres respondem nesta semana vêm neste estágio de enfrentar as nossas lições de vida, quando começamos a compreender que cabe a nós fazermos algo em relação ao desafio com que nos defrontamos, mas ainda somos mal sucedidos quanto ao que fazer a seguir.

 

A primeira pergunta, da Espanha, vem de uma curadora frustrada. Ela está encontrando dificuldades em prosseguir com o seu trabalho, embora tenha havido momentos em que ela tratou as pessoas e constatou que a sua resposta foi muito positiva. Lembramo-nos das amorosas entrevistas que tivemos com o espírito de Madre Teresa de Calcutá (Falando com Mulheres do Século Vinte) e como ela descreveu a sua própria lição de vida como uma curadora:

 

“Parte da minha lição de vida foi me encontrar. Minha jornada foi usar a minha humanidade para ajudar os outros a encontrar o que eles precisavam, um senso de valor próprio, um modo de sustento próprio. Não era o alimento que eu lhes proporcionava. Não era o remédio que eu lhes permitia receber. Era, se eles mesmos se interiorizassem, um sentido de quem eles eram em sua essência. Naturalmente, eu tentei lhes dar isto a um nível inconsciente, porque era parte da minha jornada da alma.” (Madre Teresa).

 

A segunda pergunta é sobre um maníaco por controle, que domina uma mulher que esteve aceitando as suas mentiras, e quando ele volta inúmeras vezes com e-mails, ele a engana para conseguir mais atenção para si mesmo. Os Mestres lidam com este problema frequentemente.

 

Uma passagem interessante em nossa entrevista (Lições de vida) do espírito de Francesca Louise, uma Espanhola e uma maníaca por controle, dá uma idéia de como a sua alma via o seu exercício de poder:

 

“Eu não estava ciente da felicidade. Eu não estava ciente do amor. Estava ciente somente do poder de estar no controle, ser capaz de dizer a cada minuto do dia o que deveria ser feito. Com o meu marido, enquanto eu o controlava totalmente, eu o colocava entre mim e os nossos funcionários, de modo que ele era o patrão desagradável, quando realmente tudo estava sob o meu comando. Não posso falar por ele, mas posso dizer que ele parecia estar feliz com a situação. Ele ainda tinha o que dizia, amor por mim, e dizia que faria qualquer coisa por mim. Mas eu controlava tudo o que ele fazia e quando o fazia.” (Francesca Louise).

 

A terceira questão diz respeito a uma família onde a mãe é dominadora e o filho adulto que está assumindo a responsabilidade pelas decisões que o pai tomou antes de ficar paralítico, está achando o jogo de poder uma situação insustentável. O espírito da antropóloga Margaret Mead, a quem entrevistei para o Falando com Mulheres do Século Vinte, teve isto a dizer sobre o contexto maior deste tipo de experiência:

 

“Todos os seres físicos fazem o que precisa ser feito para serem aceitos. Se eles nascem em uma família onde a matriarca é a fonte principal de todas as decisões, as mulheres serão muito fortes nesta família. Se eles nascem em uma família onde todos se curvam diante do pai nesta família, os homens serão fortes e as mulheres fracas. Assim, isto depende do que vocês escolhem. Isto pode mudar se uma mulher que nasce em uma família patriarcal se casa com um homem fraco, que veio de uma família matriarcal, e ele, portanto, permite-lhe ter mais poder na família, a assumir as responsabilidades que, normalmente, seriam tratadas pelo titular da família. Ela pode se transformar totalmente e assumir estas responsabilidades, se ela assim o escolher.” (Margaret Mead)

 

PERGUNTAS: Por que eu?

 

PERGUNTA: Mestres, eu sei que vim aqui para ser uma curadora, minha verdadeira vocação, e em uma determinada maneira, trabalho profissionalmente, mas estou achando difícil me posicionar. Acho difícil me promover. Estou cansada de ler anúncios intermináveis. Vivo sozinha, luto com problemas financeiros e parece que passo a maior parte do meu tempo, protelando. O que está me retendo? O que estou esperando? Quando eu trato as pessoas, elas respondem de uma maneira muito positiva. Estou verdadeiramente me sentindo desorientada neste momento – Jane, Espanha.

 

RESPOSTA: O que a está retendo? Você! É mais fácil nada fazer e falar sobre isto do que dar alguns passos e fazer algo. Suas lições de vida incluem se conectar com o seu poder e avançar. Para fazer isto, você tem que se amar. Por quê? Você pergunta. Porque se você não se amar, você não acha que merece realizar qualquer coisa, e assim não se envolve, agindo como uma vítima indefesa e falando que não pode fazer nada.

 

Comece com o básico de quem você é. Você é uma parte da Fonte – poderosa, magnífica, sábia. Você cria o mundo em que vive. Se você perceber a negatividade, você cria a negatividade. Se perceber o fracasso, atrai para você o fracasso. Se pensa em obter constantemente o aconselhamento dos outros, e eles dizem o que você já sabe, isto lhe confirma que você não pode avançar. Se não tiver confiança em si mesmo para obter os clientes, estará em uma luta financeira.

 

Você é uma curadora. Você foi uma curadora em muitas vidas passadas. Este não é o seu problema. Seu problema é a sua crença em suas habilidades. Você questiona se pode ajudar as pessoas até que realmente o faça e o resultado é fantástico (Se o cliente dever ser curado).

 

Deixe de passar o tempo “pensando”. Comece a enviar energia positiva para aqueles que possam usar a sua habilidade. Eles a encontrarão. Comece com afirmações relativas a sua especialização. Isto será fácil de fazer. Quando as afirmações a estimularem a trabalhar, a energia que você enviou para o trabalho trará resultados. Você irá querer atender aqueles que chegarem a você, e você irá desenvolver um novo sistema de crenças, cheio de sucesso.

 

NÃO POSSO LIBERAR

 

PERGUNTA: Mestres, há alguns anos eu estive em um relacionamento com um homem. Ele me abandonou e logo encontrou outra mulher. Admito que foi difícil para mim deixá-lo ir. Entretanto, apesar de ter decidido terminar o contato com ele, ele continuou retornando com e-mails e questões. Foi difícil cortá-lo, porque ainda que eu tentasse não me estender muito nos e-mails, eu ainda respondia. Sabendo que ele não é honesto comigo, por que ele faz isto? Por que ele continua insistindo? Estou ajudando o seu ego ferido? E ele está me enviando e-mails sempre que está infeliz em seu relacionamento? Porque algumas vezes ele me parece assim. – Malgorzata, Polônia.

 

RESPOSTA: Você teve um relacionamento com um maníaco por controle que quando você exerceu um pouco de relutância quanto a sua maneira de fazer as coisas, mudou para pastagens mais fáceis. Mas ele sabia desde o tempo em que passaram juntos, que você era tão insegura que ele poderia expor seus encantos a sua frente e você seria incapaz de resistir. E você participou disto com ele quando você respondeu a sua pescaria, para ver se ele poderia ainda mantê-la presa a sua linha. Você até mesmo aceita as suas mentiras, sabendo que ele é mentiroso, quando diz que ainda a ama e que gostaria de vê-la. Ele está se divertindo com você, porque ele pode. É uma coisa de ego – que ele é o mestre nesta situação.

 

Você precisa desesperadamente ser necessária e amada. A atenção que você obteve dele, você considerou como amor. Não era: era controle. Ele ainda insiste no contato, porque ele sabe que você estará aí aos seus pés, como um cão fiel, esperando um afago na sua cabeça. Você e a mulher com quem ele se ligou, não são as únicas mulheres a quem ele esteve ligado, por cordões de manipulação. É muito mais fácil para ele ter um meio estável na Internet. Ele pode se divertir com as mensagens quando está aborrecido, ou quando quer se sentir um grande homem.

 

Esta é uma lição valiosa pela qual está passando. Não é certo e nem errado, interromper isto agora ou continuar por mais tempo. Por favor, comece a entrar em seus sentimentos e veja o que isto está lhe fazendo. Honre a sua vida e a sua jornada. Você está ainda se culpando pelos sentimentos desagradáveis que tem. Liberte-se da culpa – esta é uma rua de mão dupla. Ele é inseguro e se sente melhor, tendo outros ao seu comando. Você não mais tem que participar disto. Ele pode continuar tendo um efeito sobre você, se assim o permitir.

 

LIÇÕES DE VIDA SENDO EXECUTADAS

 

PERGUNTA: Mestres, eu moro com a minha mãe, meu pai, esposa e filha. Nestes dias, o conflito entre eu e a minha mãe é extremo. Desde a minha infância, eu nunca gostei que a minha mãe assumisse o comando sobre os seus irmãos/irmãs e seus filhos. Sempre que eu tentei me opor a ela, eu era rechaçado e reprimido, desde que era criança. Meu pai também a apoiava. Agora, desde que o meu pai está sofrendo de paralisia e não mais pode trabalhar, eu estou tomando a maioria das decisões e faço o trabalho relacionado a minha família, propriedades, dinheiro, etc. Ela sempre coloca obstáculos em relação ao que eu decido e quer que eu faça as coisas que ela quer, com o que eu não concordo. Por favor, aconselhe-me, por que nós dois estamos nos comportando de tal forma e por que as nossas decisões nunca coincidem. Isto se relaciona com qualquer problema de vidas passadas? Quando isto chegará a um desfecho? – Rajkumar, Índia.

 

RESPOSTA: Você escolheu este plano de vida para aprender que é impossível controlar qualquer pessoa, a menos que ela o permita, e que você tem que respeitar o que os outros escolheram como a sua lição de vida. Sua mãe é uma mulher muito insegura. Ela acha que outros gostarão dela ou a amarão somente se ela fizer as coisas por eles. Isto não se relaciona com você em sua mente, porque ela acha que um filho irá amar sempre aos seus pais, assim ela sempre atendia aos seus familiares, para obter a sua aceitação. Seu pai quer desesperadamente que ela seja feliz, assim ele se submete aos seus desejos.

 

Sua decisão agora é quanta interferência você deseja suportar nas relações familiares. Uma de suas lições é a autoconfiança e não se importar com o que os outros dizem em relação ao que você faz. Você tem uma história de desprezar a família de sua mãe, porque eles conseguiram o que você sentia que era o seu direito de posse. Você está com ciúmes do passado e extremamente sensível no presente.

 

Sua mãe sente que irá perder o amor de sua família se ela não continuar o que ela fez no passado. Ela não percebe que a situação financeira mudou, por causa da condição do seu pai. Ela é como um rio que está firme no seu canal. As inundações da primavera chegam e ela tenta permanecer onde esteve no passado, mas está gradualmente sendo empurrada para um caminho diferente. Dê-lhe algum tempo.

 

Cabe a você a estabilidade que irá manter com ela. Esta é uma lição para você ter total liberdade de escolha a quanto tempo isto dure. Se achar que está no direito, desde que agora é sua a responsabilidade de cuidar das coisas, não permita que a interferência o afaste do caminho pretendido.

 

Isto não é uma recorrência de uma vida passada.

Isto irá terminar para você, quando resolver não deixar que isto o incomode mais.

 

 

Fonte:Anjo de Luz