Os sindicatos espanhóis convocaram nesta sexta-feira uma greve geral para o dia 29 de março, a primeira que o Governo do conservador Mariano Rajoy vai enfrentar apenas três meses após sua chegada ao poder.

   As Comissões Operárias (CCOO) e a União Geral de Trabalhadores (UGT) aprovaram por unanimidade a convocação da greve geral, a oitava da etapa democrática, para expressar a rejeição à reforma trabalhista, aprovada pelo Governo no dia 10 de fevereiro.

   Para os secretários gerais das CCOO, Ignacio Fernández Toxo, e da UGT, Cándido Méndez, a reforma do mercado de trabalho aprovada é “imprudente” e “regressiva”, por isso que consideram que a greve convocada é uma medida “justa e necessária”.

   Eles afirmam além disso que o protesto foi desencadeado pelo próprio Executivo por causa de suas formas e por sua imprudência, ao haver aprovado a reforma sem discuti-la nem negociá-la com os sindicatos.

   “É uma decisão difícil mas irrepreensível” do ponto de vista democrático e constitucional, assegurou Méndez em entrevista coletiva conjunta com Toxo na qual informaram sobre sua decisão.

   Com a convocação, as centrais sindicais querem expressar a rejeição à reforma trabalhista que consideram que prejudica os direitos dos trabalhadores e facilita as demissões.

   No entanto, elas advertem ao Governo que com o protesto não se acabará sua rejeição à reforma e que há tempo ainda para retificar a norma, que foi uma das primeiras medidas adotadas pelo Executivo de Rajoy.

   O Governo de Rajoy argumenta que a reforma é urgente e necessária devido à situação que a Espanha atravessa com 5,2 milhões de desempregados, 23% da população ativa.

   Com ela o Governo pretende flexibilizar o mercado de trabalho espanhol e incentivar a contratação de jovens, um setor da população muito castigado pelo desemprego com uma taxa superior a 48%.

Fonte: Terra